Coach 'bruxa' admite que mentiu sobre acusações e Yasmin Brunet vai à delegacia: 'Internet não é terra de ninguém'

A modelo Yasmin Brunet foi à Polícia Civil de São Paulo, nesta quinta-feira (27), prestar queixas contra ameaças e falsas acusações de tráfico humano e cárcere privado feitas contra ela pela coach e autodeclarada "bruxa" Katiuscia Torres, conhecida como Kat Torres, de 33 anos, e também pelas jovens Letícia Maia, de 21 anos, e Desirré Freitas, de 26. Dadas como desaparecidas pelas famílias, as duas garotas brasileiras vivem nos Estados Unidos em circunstâncias ainda obscuras, supostamente sustentadas por Kat Torres, que é ex-modelo, escritora e atua hoje como uma espécie de guru de uma seita que promete dinheiro, sucesso profissional e até trazer o amor desejado através de feitiços, hipnose e consumo de um chá alucinógeno chamado Ayahuasca – semelhante ao do ritual de Santo Daime. Em vídeos e postagens, elas começaram a atacar Brunet de forma desconexa com denúncias graves depois que a top model se interessou em ajudar a família de Letícia a encontrá-la.

Entenda: o caso de jovens brasileiras que teriam sido aliciadas nos EUA por ex-modelo que age como guru espiritual

Kat Torres: Ex-modelo, protagonista de meme, affair fake com DiCaprio: quem é a coach acusada por pais de aliciar jovens brasileiras nos EUA

Após grande repercussão que o caso tomou, Katiuscia gravou um vídeo, onde assume que inventou as acusações contra Yasmin Brunet e se justifica, dizendo que vinha sendo perseguida pelos seguidores.

– Eu falei para vocês que a internet é terra de ninguém, mesmo. As pessoas xingam todo mundo, mesmo, falam que todo mundo sequestrou, que faz tráfico humano (sic), e os c*ralho. Eu apenas usei da mesma internet que vocês usam contra mim para acusar outras pessoas que estavam me acusando. Apenas isso – disse Kat Torres, em vídeo publicado nas redes sociais.

Além de Brunet, Kat e as duas jovens fizeram ainda acusações graves, e igualmente desconexas, contra um apresentador da Record TV que passou a cobrir o caso. Dadas como desaparecidas, as meninas publicaram vídeos onde mandavam parentes e amigos pararem de procurá-las. Em uma das denúncias mais graves feitas, Letícia afirmou em gravação que seu pai teria abusado sexualmente dela e das irmãs na infância, o que foi imediatamente rechaçado por ele e toda a família. Yasmin Brunet afirma que, junto com seu advogado, Robson Cunha, entrou com ações contra o trio.

– Eu jamais pensei que uma coisa tão sem nexo fosse tomar a proporção que tomou. Hoje procurei a delegacia com o meu advogado para formalizar as ações contra as três mulheres que, de forma mentirosa, cometeram crimes contra a minha honra – diz Brunet em vídeo. – Eu vou fazer questão de mostrar para elas que a internet não é terra de ninguém e tem sim leis, que precisam ser seguidas, e isso não é brincadeira que se faz com alguém. Inclusive, elas já desmentiram tudo, dizendo que foi "só uma brincadeira". Esse caos que elas criaram. Antes, a Katiuscia disse que me encheria de porrada se me visse, e que eu não poderia fazer nada sobre isso. Já estou fazendo. E vou até o final, para mostrar para elas que existem, sim, leis na internet.

Pela primeira vez, Yasmin Brunet também explicou como seu nome foi parar na história. Ela conta que ficou sabendo do suposto desaparecimento de Letícia e Desirré através de uma reportagem, e ao investigar o perfil de uma das garotas, acabou se deparando com uma live que havia acabado de ser iniciada.

– Eu li uma matéria que dizia que tinham duas meninas brasileiras sendo procuradas pela família, porque supostamente haviam desaparecido. Coincidentemente, quando entrei no Instagram de uma delas, a Letícia, ela tinha acabado de iniciar uma live. Então, entrei na live dela e, lendo os comentários das pessoas, eu estava tentando entender exatamente o que estava acontecendo ali. Aí, fiz o seguinte comentário, mais ou menos assim: "Letícia, se você estiver bem, vira seu telefone e mostra o seu quarto, porque tem muita gente preocupada com você aqui no Brasil", e eu de fato estava preocupada, pelas coisas que tinha lido e ouvido sobre o caso. Quando leu meu comentário, ela ficou extremamente irritada e encerrou a live – narra.

Ela conta que, logo depois, passou a ser insultada e ameaçada por Katiuscia.

– Logo em seguida, a Katiuscia, que é uma mulher que está nos Estados Unidos com essas duas meninas brasileiras que estão ou estavam sendo procuradas pelas famílias, fez um post e disse que iria amaldiçoar minha vida com macumba, magia, coisas que ela disse, e começou a me acusar de várias coisas, falar coisas sem sentido algum, sem nexo. Em seguida, essas meninas se juntaram e inventaram histórias, começaram com esse crime contra a minha honra, dizendo que eu tinha colocado elas em um cativeiro, com homens armados, uma história que não tem nexo algum. Elas cometeram um crime, mentiram, me acusaram de coisas absurdas, achando que a internet é terra de ninguém e que não tem lei, mas não é verdade.

Em outro estado, Minas Gerais, onde o desaparecimento de Letícia foi denunciado por sua família, a Polícia Civil afirmou, nesta quinta-feira, que, com base nas imagens publicadas nas redes sociais pela própria jovem, e a partir do contato feito com a Polícia Federal, a hipótese de desaparecimento já foi descartada pelos investigadores. Sobre a denúncia de abuso sexual feita pela Letícia contra o próprio pai, a delegacia afirma que ouviu familiares e testemunhas e segue com a apuração dos fatos. "Outros supostos ilícitos noticiados, e que não são de responsabilidade da PCMG, foram encaminhados para os órgãos competentes", conclui a instituição.

Agências federais americanas também investigam o caso das três mulheres. Fonte ouvida pela reportagem afirma que, neste momento, é possível que elas acabem incriminadas por terem inventado denúncias falsas, fingindo até estarem em poder de sequestradores em um cativeiro de mentira. A relação delas – e de outras brasileiras, que teriam sido aliciadas com falsas promessas – com Kat Torres também é apurada.

Parentes acreditam em coação

Continua no ar uma página, criada por amigos e parentes de Desirré, chamada de Searghing Desirré – procurando por Desirré, em tradução para o português, para que a garota, de 26 anos, seja encontrada. Eles afirmam que ela desapareceu ao sair da Alemanha para se encontrar com Kat Torres. Depois que voltou a aparecer nas redes, eles dizem que não reconhecem mais na menina a pessoa que ela era antes e seguem pedindo por ajuda. Acreditam que ela esteja sendo ameaçada e manipulada pela guru espiritual. Opinião semelhante tem a família de Letícia; eles acreditam que a garota esteja sendo drogada e, de alguma forma, obrigada a fazer as declarações que tem feito nas redes sociais.