Coaf: empresa que deu carta-fiança à Precisa tem ‘movimentação financeira incompatível com o faturamento’

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — Relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) ao qual o GLOBO teve acesso mostra uma movimentação financeira incompatível com o faturamento declarado do FIB Bank, responsável por emitir uma carta-fiança irregular apresentada pela Precisa Medicamentos ao Ministério da Saúde durante a negociação da vacina indiana Covaxin. O contrato, depois rescindido pelo governo, é investigado pela CPI da Covid.

O FIB Bank deu a carta-fiança apresentada pela Precisa ao Ministério da Saúde para cumprir uma das etapas da negociação da vacina. O documento afiançava o valor de R$ 80,7 milhões, equivalente a 5% do R$ 1,6 bilhão do contrato. No entanto, a empresa não tem autorização do Banco Central para oferecer esse tipo de garantia. A Precisa pagou R$ 350 mil pela carta.

No documento do Coaf, a instituição considera que “as movimentações havidas em conta são incompatíveis com o faturamento declarado, com recebimentos de créditos com o imediato débito dos valores, com indícios de burla de bloqueio judicial”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos