Coaf volta para a estrutura do Ministério da Fazenda

Com a reestruturação dos ministérios no novo governo do PT, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) foi transferido para a estrutura do Ministério da Fazenda. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia sinalizado que faria a mudança. O órgão de inteligência deixa a estrutura do Banco Central e volta para o Executivo.

'Irrecuperável': Medidas de última hora do governo Bolsonaro custarão de R$ 10 bi a R$ 15 bi, diz Haddad:

Em discurso de posse: Haddad diz que vai ‘arrumar a casa’ e prega compromisso com as contas públicas

O Coaf foi responsável pela produção de mais de mil relatórios que basearam as investigações da Operação Lava Jato. Inicialmente, o ministro da Justiça, Flávio Dino, também queria contar com o órgão em sua pasta. Mas prevaleceu a mudança para a pasta econômica.

As mudanças na vinculação do Coaf ocorreram durante a gestão de Jair Bolsonaro, quando o órgão deixou a estrutura do Ministério da Economia, que abarcou a Fazenda, e mudou para a Justiça, comandada então por Sergio Moro. O Coaf voltou para a Economia antes de ser transferido para o Banco Central.

Pix: Novas regras começam a valer nesta segunda-feira; entenda as mudanças

Na gestão Lula, o plano é que o órgão seja vinculado diretamente ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e seja independente das secretarias, como são atualmente a Receita e o Tesouro. O chefe do Coaf deve reportar diretamente ao ministro da Fazenda.