Coalizão liderada por sauditas no Iêmen afirma ter abatido 130 huthis em 24h

·2 min de leitura
Membros das forças pró-governo do Iêmen lutam no sul da província de Marib em 10 de novembro de 2021 (AFP/-)

A coalizão liderada pela Arábia Saudita que luta no conflito no Iêmen informou nesta terça-feira (16) que matou mais de 130 rebeldes huthis nas últimas 24 horas em ataques dentro e perto do reduto pró-governo de Marib, no norte do país.

Desde outubro, essa coalizão informa quase diariamente sobre um elevado número de mortos entre os insurgentes, repelindo sua ofensiva contra a cidade de Marib, capital da província homônima e último bastião do governo no norte.

Em contrapartida, os huthis, apoiados pelo Irã, raramente relatam suas baixas, que teriam passado de 3.700 nas últimas semanas, de acordo com a coalizão. A AFP não conseguiu verificar este balanço por meio de fontes independentes.

"Dezesseis veículos militares foram destruídos, e mais de 130 elementos terroristas, mortos", nos últimos ataques, anunciou a coalizão em um comunicado divulgado pela agência de notícias oficial saudita SPA.

A agência informou também que as operações aconteceram nas províncias de Marib e de Al-Bayda.

Os huthis já haviam feito um grande esforço para tomar a cidade de Marib em fevereiro passado e retomaram sua ofensiva em setembro.

Confrontos também foram reportados em uma outra frente, na costa do Mar Vermelho no Iêmen, depois que as forças rebeldes huthis avançaram para o sul nos últimos dias.

Por um lado, a coalizão relatou, nesta terça-feira, que atacou quatro posições huthis ao longo da costa oeste do Mar Vermelho.

Por outro, um avanço dos huthis perto de um importante porto do Iêmen, localizado na província de Hodeida, no oeste do país, causou um revés saudita acompanhado pelo deslocamento de mais de 6.000 pessoas, segundo a ONU.

Na segunda-feira, a coalizão disse em um comunicado que a "redistribuição e o reposicionamento", na semana passada, de suas tropas junto com as das forças do governo foram planejadas "para apoiar o governo iemenita em sua luta em todas as frentes em nível nacional".

A guerra civil do Iêmen começou em 2014, quando os rebeldes huthis tomaram a capital do território, Sanaa. Um ano depois, as forças lideradas pelos sauditas decidiram intervir, em apoio ao governo reconhecido pela comunidade internacional.

O conflito deixou dezenas de milhares de mortos, em sua maioria civis, assim como milhões de deslocados, nesta que é considerada a pior crise humanitária do mundo pela ONU.

ht/dm/pjm/age/mb/mr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos