COB marca os dois anos as olimpíadas e detalha trabalho já realizado em Paris

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) deu detalhes nesta terça-feira sobre como está a preparação do Time Brasil para os jogos de Paris, em 2024. O evento, que aconteceu em São Paulo, marcou a data de dois anos até as olimpíadas. Dirigentes do COB deram palestras sobre a logística e ações de patrocínio, além de confirmarem, que durante os jogos, haverá uma Fã Fest em alguma cidade brasileira que ainda será escolhida.

Segundo o diretor de alto rendimento do COB, Ney Wilson, o planejamento para os jogos de Paris começou ainda antes dos jogos de Tóquio terem acontecido. Ele detalhou como será a base da equipe brasileiro, que usará a cidade de Saint-Ouen como base. Ela fica a menos de 600 metros da vila olímpica.

Ney também contou que a equipe do COB foi a primeira entre os países das américas a visitar o local, o que lhes dá preferência no prédio em que os brasileiros irão se hospedar. Eles podem, por exemplo, escolher aquele que é mais próximo do transporte ou do local de refeições.

O diretor de alto rendimento também deu detalhes mais específicos, como por exemplo, sobre a construção de uma quadra de vôlei de praia temporária que será construída. O local será montado nos mesmos moldes das quadras onde acontecerão os jogos oficiais, inclusive a posicionando na mesma direção do sol.

Outro esporte que tem recebido um olhar mais detalhado é a vela, cujas competições serão em Marselha. Um contrato de parceria deve ser assinado em breve, que prevê que os atletas possam treinar na cidade.

— A logística é imensa para poder você dar o suporte que a modalidade precisa. Eles precisam treinar na raia olímpica, precisam conhecer como é o ambiente que eles vão vivenciar. Eu fiquei muito orgulhoso de ir a Marselha e ver as grandes potências, junto conosco, buscando oportunidades nos espaços das marinas que eram oferecidas lá. Então mostra que o Brasil está nesse caminho. As grandes potências dessa modalidade também estavam lá buscando locais mais apropriados para os seus atletas — contou.

Fora da área esportiva, o COB também fez uma apresentação sobre marketing e patrocínios. O diretor de Marketing, Gustavo Herbetta, contou que há três mitos que precisam ser desmontados. O primeiro deles é o de que o Brasil é um esporte monocultural, o outro é de que não há conexão entre os fãs e os esportes olímpicos e o último é o de que as marcas não podem fazer ativações durante os jogos olímpicos.

— Tenho como principal objetivo e missão trabalhar dia a dia com o mercado, com a mídia esportiva e com os fãs para mostrar e aproximar cada vez mais esses elos — afirmou.

Para os jogos de Paris, o COB irá organizar no Brasil, em uma cidade ainda a ser escolhida, o Festival Arena Olímpica, que será uma Fã Fest. O Comitê também reeditará a Casa Brasil, dessa vez na capital francesa.

Hall da Fama

Ainda durante o evento, o COB eternizou no seu Hall da Fama dois atletas olímpicos, o ex-nadador Gustavo Borges e o ex-judoca Rogério Sampaio, que hoje é diretor-geral do COB. Ambos foram medalhistas olímpicos, Gustavo com 4 medalhas (duas de prata e duas de bronze) e Rogério com ouro, em Barcelona, em 1992.

— Uma emoção muito grande estar aqui com vocês. A data não poderia ser mais especial. Em 26 de julho foi a minha estreia olímpica em Barcelona, em 92. Hoje reviver a memória e encontrar com outros medalhistas é muita emoção — disse Gustavo Borges.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos