Cody Gakpo: autor do gol da Holanda se negou a embarcar num jato particular rumo à Premier League para ficar no PSV

O primeiro gol da Holanda na Copa do Mundo de 2022 é da estrela Cody Gakpo. Para quem acompanhou a geração de astros como Van der Sar, Robben e Sneijder, o nome do garoto pode passar batido. Seus 23 anos justificam isso. Mas não se engane: trata-se de uma das maiores promessas do futebol europeu atualmente, que é disputado a tapas pelos gigantes e chegou a ignorar um jatinho para ir para a Premier League.

A história é curiosa e engraçada. Um dia antes do fechamento da janela de transferências, o Leeds, da Inglaterra, mandou um jato particular para a Holanda com o diretor técnico Victor Orta a bordo. A ideia era fazer o que fosse para contratar Gakpo, que atua pelo PSV. Ao saber da informação, o atacante deu a ordem para os dirigentes "voarem de volta para a Inglaterra". Queria continuar no clube de coração.

O talentoso atacante do PSV foi coroado jogador do ano na Holanda na última temporada. Ele aprendeu o ofício com seu ex-treinador dos juvenis, agora treinador principal, o ex-atacante holandês Ruud van Nistelrooy, e pode seguir seus passos no Manchester United na próxima temporada.

Gakpo foi cotado nos Red Devils nesta janela de transferência, mas a contratação do brasileiro Antony acabou acontecendo primeiro. Isso não significa que ele saiu do radar. O holandês só não foi contratado junto devido ao Fair Play Financeiro, mas tudo indica que os ingleses seguirão atrás de sua contratação na próxima janela.

Além do Manchester United, o Barcelona é outro clube que está de olho em sua contratação. Certo é que dificilmente ficará por muito tempo no PSV — ele é o atual artilheiro do Eredivisie, o Campeonato Holandês, com nove gols, e líder em assistências, com 12.

“Ele sempre encontra uma maneira de ser decisivo nos jogos. Em termos de assistência ou gol, ele é sempre perigoso. Cody pode jogar como número 10, nas pontas, ou como um falso atacante”, exaltou Van Persie.

Nascido na Holanda, Gakpo é descendente de holandeses, togoleses e ganenses. Além do pai, seus irmãos também atuaram em equipes juvenis do país. Depois de ficar fora da Liga dos Campeões quatro anos seguidos com o PSV, ele está esperando e torcendo por uma boa Copa do Mundo. Especialmente agora que vem fazendo a diferença a cada jogo.