Cofundador da Apple anuncia empresa de lixo espacial

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Steve Wozniak, cofundador da Apple, durante evento em São Paulo. (Foto: Felix Lima/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Steve Wozniak, cofundador da Apple, durante evento em São Paulo. (Foto: Felix Lima/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mais um empresário do ramo da tecnologia tem planos para entrar no circuito da exploração espacial privada, mas de uma forma um tanto diferente das iniciativas que vimos até o momento com os bilionários Jeff Bezos, com a Blue Origin, Elon Musk, com a SpaceX, e Richard Branson, da Virgin Galactic. O cofundador da empresa de tecnologia Apple, Steve Wozniak deve dar mais detalhes, ainda essa semana, da sua empresa Privateer Space, que, ao que parece, terá o objetivo de lidar com lixo espacial.

A empresa foi citada por Wozniak em um tuíte, neste domingo (12). "Uma empresa privada está começando, como nenhuma outra", diz a postagem.

O tuíte é acompanhado por um vídeo inspiracional, no qual uma voz masculina afirma que "juntos nós iremos longe" e que "isso não é uma corrida, não é uma competição", enquanto imagens de exploração espacial são mostradas.

O vídeo também afirma que cabe aos seres humanos tomar conta do que temos atualmente para que as próximas gerações possam ir mais longe.

Até o momento, não há muita informação além disso sobre a nova empresa espacial privada. Mas um texto destinado à imprensa de agosto, de uma empresa de impressão 3D chamada Desktop Metal, aponta o objetivo da Privateer, de Wozniak, de monitoramento e limpeza espacial.

Nesse texto, o próprio Wozniak afirma que, "através do avanços em materiais que a Desktop Metal está fazendo, temos a oportunidade incrível de colaborar e manter o espaço acessível para futuras gerações".

Mais detalhes sobre a nova empresa devem ser apresentadas na Amos (Advanced Maui Optical and Space Surveillance Technologies), evento que começa nesta terça-feira (13), no Havaí.

O lixo espacial é um problema que já causa preocupação para as agências espaciais para a manutenção do uso do espaço. Objetos mais distantes da Terra podem ficar na órbita do planeta por muito tempo e acabar colidindo com satélites, por exemplo. Mesmo pequenos pedaços de lixo espacial podem causar grandes avarias, considerando as altas velocidades envolvidas.

Em 2018, o primeiro laboratório espacial chinês, a Tiangong-1, lançada em 2011, caiu na Terra e reacendeu o debate sobre o lixo espacial.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos