COI ameaça proibir eventos esportivos na Malásia e Sérvia

·2 min de leitura
COI prometeu medidas drásticas com países que impedirem a entrada de atletas por questões políticas. Foto: Tom Weller/DeFodi Images via Getty Images
COI prometeu medidas drásticas com países que impedirem a entrada de atletas por questões políticas. Foto: Tom Weller/DeFodi Images via Getty Images

O Comitê Olímpico Internacional (COI) não gostou nada da proibição da entrada de atletas em competições realizadas recentemente na Malásia e na Sérvia e mandou o recado: caso a situação se repita, a entidade vai retirar eventos esportivos dos dois países.

A informação foi divulgada pelo jornal Jerusalém Post e dá conta que o fato que irritou os cartolas da principal entidade do olimpismo internacional foi que ambos os países dificultaram a entrada de atletas de nacionalidades com os quais não tem relações diplomáticas.

Leia também:

O primeiro caso aconteceu em outubro, quando a Sérvia sediou o Mundial de boxe amador. O governo local proibiu a entrada de atletas do Kosovo. Desde que Kosovo tenta obter sua independência e reconhecimento como Estado-Nação, a Sérvia se mostra contrária a esta decisão, o que fortalece rivalidades étnicas na região.

Já em novembro foi a vez da Malásia não permitir que atletas israelenses competissem no Mundial de squash. Nesse caso a divergência entre os países se dá pelo fato de que a Malásia é um país de maioria muçulmana e por isso mantém relações distantes com Israel.

Em carta, o COI deixou claro que qualquer país que desrespeite a carta olímpica, será proibido de receber eventos até solucionar o problema. Nos casos citados, a entidade afirma que trabalhará com os comitês olímpicos de Malásia e Sérvia para chegarem em solução com os governos centrais.

Essa não é a primeira vez que a Malásia toma atitudes que vão contra os princípios do ComitÊ Olímpico Internacional. Em 2019, o país perdeu para a Inglaterra o direito de sediar o Mundial paralímpico de natação após proibir a participação de Israel no torneio.

Outro caso que está na mira do COI aconteceu neste mês, quando a atleta Gal Zuckerman foi campeã juvenil de kiteboarding em Omã e não pode ouvir o hino israelense.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos