COI define orientação para atletas transgênero no esporte

·2 min de leitura
TOKYO, JAPAN - AUGUST 2, 2021: New Zealand's Laurel Hubbard competes in the women's +87kg group A final weightlifting event during the 2020 Summer Olympic Games at the Tokyo International Forum. Laurel Hubbard is the first transgender woman to compete in the Olympics. Stanislav Krasilnikov/TASS (Photo by Stanislav Krasilnikov\TASS via Getty Images)
Laurel Hubbard nas Olimpíadas de Tóquio. Ela foi a primeira atleta transgênero a competir nos Jogos. Foto: (Stanislav Krasilnikov\TASS via Getty Images)

O Comitê Olímpico Internacional (COI) divulgou as diretrizes que podem regulamentar as regras de federações internacionais que atuam sob seus regulamentos sobre a possibilidade de atletas transgênero atuarem em competições. De acordo com o documento, as modalidades são responsáveis pelos critérios de elegibilidade, mas devem trilhar os princípios orientados pelo COI.

O item 5.1 do ofício estipula que "Nenhum atleta deve ser impedido de competir ou deve ser excluído da competição com base em uma vantagem competitiva injusta não verificada, alegada ou percebida devido a suas variações de sexo, aparência física e/ou status de transgênero"

Leia também:

Completando o tema no item 5.1, o Comitê afirma que "Até que as evidências determinem o contrário, os atletas não devem ser considerados como tendo uma vantagem competitiva injusta ou desproporcional devido às suas variações de sexo".

Outros itens do documento tratam sobre a restrição de participantes transexuais. Nos 6.1 e 6.2, diz-se que as decisões devem se basear em estudos fortes e revisados, que demonstrem "uma consistente, injusta e desproporcional vantagem competitiva em performance" ou risco à saúde de outros atletas. 

O COI utilizava, desde 2015, uma regra genérica que obrigava tratamento hormonal que mantivesse determinado nível de testosterona no corpo de atletas mulheres transexuais para que estivessem aptas às competições. Desta maneira, Laurel Hubbard, halterofilista neozelandesa, foi a primeira atleta transgênero a participar de uma edição dos Jogos Olímpicos.

Laurel competiu na modalidade de levantamento de peso em Tóquio. A atleta chegou à final, mas falhou nas três tentativas de levantar 120 e 125kg.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos