COI proíbe postagem de gestos antirracistas nas redes sociais da Olimpíada de Tóquio, diz jornal

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* Rio de Janeiro, RJ,BRASIL, 20 - 05- 2015;  Inauguração dos anéis olímpicos no parque de Madureira. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
*ARQUIVO* Rio de Janeiro, RJ,BRASIL, 20 - 05- 2015; Inauguração dos anéis olímpicos no parque de Madureira. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O COI (Comitê Olímpico Internacional) proibiu as equipes das redes sociais oficiais da Olimpíada de Tóquio de publicarem fotos e vídeos de protestos antirracistas feitos por atletas durante a competição. A informação é do jornal inglês "The Guardian".

Nesta quarta-feira (21), durante a primeira rodada do futebol feminino, atletas de cinco seleções se ajoelharam em campo em um gesto que se popularizou após a morte de George Floyd, no estado americano de Minnesota, no ano passado. As manifestações foram feitas por jogadoras do Chile, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Suécia e Nova Zelândia.

Os gestos foram transmitidos normalmente pelas redes televisivas, mas não aparecem nas redes sociais do COI ou da Olimpíada.

Os profissionais teriam recebido a instrução na noite de terça-feira, no horário de Tóquio, antes da partida entre Chile e Grã-Bretanha, que marcou a inauguração do futebol nos Jogos.

Segundo o "The Guardian", a orientação gerou surpresa nas equipes das redes sociais, uma vez que o COI costuma celebrar imagens icônicas de protestos, entre elas as dos ex-velocistas americanos Tommie Smith e John Carlos erguendo os punhos em manifestação contra a desigualdade racional nos Estados Unidos durante a Olimpíada de 1968.

A medida também vai na contramão de decisão recente da entidade, que afrouxou regra que proibia as manifestações políticas nos Jogos.

A redação original da Regra 50.2 da Carta Olímpica afirmava que, para preservar a neutralidade dos Jogos, nenhum tipo de manifestação política, religiosa ou racial era permitida nas arenas e em outras áreas.

Diante do crescente ativismo de atletas, porém, foi divulgado no início do mês a nova versão das diretrizes do COI para a aplicação da Regra 50.2, que inclui os locais de jogo como palcos permitidos para manifestação, desde que antes do início das competições.

De acordo com a entidade, a manifestação precisa ser "consistente com os princípios fundamentais do Olimpismo" e não pode ser dirigida direta ou indiretamente a pessoas, países e organizações. Ajoelhar-se ou erguer o punho no pódio permanece vetado.

O gesto antirracista de se ajoelhar com o punho erguido antes de partidas de futebol se manteve presente na última temporada da Inglaterra e se repetiu entre algumas seleções na Eurocopa, ainda que sob reprovação do público em determinados países.

Durante a competição europeia, parte da torcida inglesa chegou a vaiar os jogadores da própria equipe durante a execução do gesto. Após a derrota para a Itália, na final, os atletas ingleses Rashford, Saka e Sancho foram alvos de ataques racistas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos