Colômbia anuncia cessar-fogo com cinco grupos armados ilegais

BOGOTÁ (Reuters) - O presidente colombiano, Gustavo Petro, anunciou no sábado um cessar-fogo em janeiro com cinco grupos armados ilegais para promover as negociações de paz.

Petro, que é ex-guerrilheiro e de esquerda, prometeu acabar com os conflito internos do país, que já duram quase seis décadas e deixaram pelo menos 450.000 mortos entre 1985 e 2018.

"Esse é um ato ousado", escreveu Petro no Twitter. "O cessar-fogo bilateral obriga as organizações armadas e o Estado a respeitá-lo. Haverá um mecanismo de verificação nacional e internacional".

Entre os grupos estão os guerrilheiros esquerdistas do Exército de Libertação Nacional (ELN), bem como grupos dissidentes dirigidos por ex-membros das agora desmobilizadas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Segunda Marquetalia e Estado Mayor Central.

Em comunicado separado, o governo colombiano disse ter recebido cartas da sociedade, da igreja e de muitas organizações comunitárias pedindo o fim da violência.

O governo acrescentou que emitirá um decreto específico para cada uma das organizações que determinará as durações e condições do cessar-fogo. O prazo termina em 30 de junho, mas pode ser prorrogado.

(Reportagem de Julia Symmes Cobb)