Colômbia aprova vacina chinesa da Sinovac contra a covid-19

·1 minuto de leitura
Um profissional da saúde exibe um frasco contendo uma dose da vacina chinesa Sinovac no Hospital Kartal Lutfi Kirdar Sehir, em Istambul, em 14 de janeiro de 2021

A Colômbia aprovou nesta quarta-feira (3) a vacina contra a covid-19 do laboratório chinês Sinovac, do qual espera receber 2,5 milhões de doses, informou o presidente Iván Duque. É o segundo imunizante autorizado no país depois do da americana Pfizer.

A agência colombiana de controle de medicamentos “autorizou a chegada da vacina Sinovac, que passou por toda a avaliação dos especialistas”, disse o presidente em seu programa diário de televisão.

A vacina será aplicado em duas doses a 1.250.000pessoas, afirmou à AFP um assessor de imprensa do Ministério da Saúde, e se somará aos 10 milhões de injeções da Pfizer aprovadas em janeiro.

O presidente Duque planeja iniciar em 20 de fevereiro a vacinação em massa para 35,2 milhões de pessoas.

De acordo com o Ministério da Saúde, há acordos de confidencialidade com os laboratórios Pfizer, AstraZeneca, Johnson & Johnson e Sinovac, e uma negociação em andamento com a farmacêutica russa responsável pela Sputnik V.

Segundo o calendário oficial, o governo planeja iniciar o processo de imunização com trabalhadores da saúde, idosos e pessoas com comorbidades.

Em todo o mundo, pelo menos 77 países já iniciaram ciclos de vacinação em massa e, na América Latina, México, Brasil, Argentina, Chile, Costa Rica, Panamá, Equador e Bolívia estão na dianteira.

Com 50 milhões de habitantes, a Colômbia é o segundo país com o maior número de casos de covid-19 (2.100.000) na região e o terceiro com o maior número de mortes (54.800).

lv/lda/ic/mvv