Colômbia captura todos os suspeitos por morte de promotor do Paraguai durante lua de mel, diz presidente

Todos os suspeitos pelo assassinato do promotor colombiano Marcelo Pecci em uma praia do caribe, em 10 de maio, foram capturados e serão levados à Justiça, anunciou nesta sexta-feira o presidente da Colômbia, Iván Duque, durante uma visita aos EUA. O líder colombiano, porém, não esclareceu quantas pessoas foram presas.

— Em uma operação de trabalho compartilhada por parte da Polícia Nacional de Colômbia, a Promotoria Geral da Nação da Colômbia, e também com a colaboração de autoridades paraguaias, capturamos todos os supostos envolvidos, incluindo o autor material do assassinato do promotor Marcelo Pecci, do Paraguai — disse Duque em uma declaração em vídeo.

Contexto: Promotor paraguaio assassinado investigava facção paulista e atuou na prisão de Ronaldinho

Sob forte aparato de segurança: Mulher de promotor morto na lua de mel volta ao Paraguai em avião presidencial

Pecci foi assassinato na praia de Barú, muito perto de Cartagena, durante sua lua de mel com a jornalista Claudia Aguilera, com quem havia se casado em 30 de abril e que está grávida.

O promotor, de 45 anos, investigava casos de narcotráfico e do crime organizado. Seu assassinato, cometido por matadores de aluguel que dispararam contra ele a partir de um jet-ski, comoveu a sociedade paraguaia. Pecci coordenava no Paraguai as investigações do Ministério Público sobre crimes com participação da organização criminosa paulista que domina os presídios brasileiros.

Desde a Base Conjunta Andrews, no arredores de Washington, Duque expressou sua solidariedade com a família do promotor e com o povo paraguaio, parabenizando a rápida atuação das autoridades para "mostrar ao mundo que ninguém está acima da lei".

— Essa é uma operação de inteligência, de trabalho meticuloso que nos permitiu chegar a essa estrutura criminal, e esses criminosos serão postos à disposição de um juiz — disse Duque.

O presidente colombiano afirmou que os detalhes sobre as capturas serão divulgados assim que se termine o processo de legalização das detenções, que também têm de passar pela revisão de um juiz.

— A evidência que temos é importante, robusta. Foi feito um detalhado trabalho de pesquisa e investigação — acrescentou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos