Colômbia condena "agressão" contra jornalista na Venezuela

BOGOTÁ (Reuters) - A Colômbia disse nesta sexta-feira que uma jornalista que cobria a crise política na Venezuela para uma emissora de rádio colombiana foi atacada por soldados da Guarda Nacional, em uma "agressão" contra a mídia.

A ministra das Relações Exteriores, Maria Angela Holguín, expressou, em comunicado, "preocupação e rejeição a este ataque contra o livre exercício da liberdade de expressão", após o incidente envolvendo a repórter da Rádio Caracol Elyangelica González, no Tribunal Supremo de Justiça na capital venezuelana, Caracas.

O Ministério da Informação da Venezuela não respondeu a um pedido de comentário.

O embaixador da Colômbia na Venezuela, Ricardo Lozano, retornará ao seu país de origem para discussões, acrescentou Holguín na rádio local, depois de Bogotá, como outros governos da América Latina, expressar preocupação com a decisão do tribunal de assumir as funções do Congresso, na quarta-feira.

A jornalista, que é venezuelana, disse à Caracol que foi empurrada, chutada e contida por 10 membros da Guarda Nacional, enquanto relatava ao vivo a manifestação de estudantes no tribunal na quinta-feira.

Dois telefones também foram confiscados durante sua breve detenção, disse ela, em lágrimas, após o incidente.

Um pequeno vídeo do ataque publicado na mídia social mostra Elyangelica no chão cercada por dezenas de militares uniformizados, que a arrastam pelo concreto e atravessam um portão enquanto ela protesta.

(Reportagem de Helen Murphy)