Colômbia cria nova unidade militar para combater tráfico de drogas e grupos armados

Luis Jaime Acosta
·1 minuto de leitura
Presidente da Colômbia, Iván Duque, ao lado de tropas de nova unidade militar Conat em Tolemaida

Por Luis Jaime Acosta

BOGOTÁ (Reuters) - A Colômbia lançou nesta sexta-feira uma nova unidade militar para combater produção de cocaína, mineração ilegal e grupos armados clandestinos que usam essas atividades para obter ganho financeiro.

A decisão de criar a unidade, conhecida como Conat, chega no momento em que o país se prepara para retomar a fumigação aérea de cultivos de coca com o herbicida glifosato, possivelmente a partir do final de março. O governo aguarda uma aprovação do Tribunal Constitucional.

"A unidade nasceu para atingir, reprimir e desmantelar as estruturas do tráfico de drogas e das ameaças transnacionais ligadas à mineração ilegal, ao tráfico de vida selvagem e pessoas e --é claro-- qualquer forma transnacional de terrorismo", disse o presidente da Colômbia, Iván Duque, em uma base militar de Tolemaida.

A Colômbia, considerada a maior produtora mundial de cocaína, suspendeu a fumigação aérea com glifosato em 2015 depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que o produto químico é potencialmente danoso à saúde e ao meio ambiente.

A nova unidade, que consiste de sete mil efetivos, será enviada a zonas como a região de Catatumbo, na fronteira com a Venezuela, assim como as províncias de Cauca e Putamayo, disse o ministro da Defesa, Diego Molano.

A Colômbia enfrenta uma pressão constante do Estados Unidos, um dos principais destinos da cocaína, para diminuir o tamanho dos cultivos de coca, o principal ingrediente da droga.