Colômbia e rebeldes do ELN devem realizar reunião de emergência em Caracas, diz negociador

Negociações colombianas

BOGOTÁ (Reuters) - A Colômbia e o grupo rebelde Exército de Libertação Nacional (ELN) devem realizar uma reunião de emergência em Caracas ainda nesta semana, disse o chefe da equipe de negociação do governo colombiano nesta terça-feira.

A Colômbia declarou e cancelou um cessar-fogo bilateral com o grupo na semana passada, depois que o ELN disse que não concordava com a mudança. O governo culpou um mal-entendido da posição do ELN pela reviravolta.

Os dois lados realizaram um primeiro ciclo de negociações para encerrar a guerrilha em quase seis décadas de conflito no ano passado em Caracas, e devem iniciar outra rodada de negociações no México.

Mas o México ainda não estava pronto para sediar a rodada de conversas, disse Otty Patino, chefe da equipe de negociação do governo à Blu Radio, e os dois lados podem ter uma reunião prévia em Caracas nesta semana ou na próxima.

“Estamos tentando que haja uma conversa prévia para concluir o que restou do primeiro ciclo”, disse Patino, que assim como o presidente Gustavo Petro é ex-integrante da guerrilha urbana M-19.

Uma reunião em Caracas "não é um ciclo, mas uma reunião de emergência", acrescentou.

Patino negou que as negociações com o grupo rebelde, que conta com cerca de 2.400 combatentes, estejam em crise.

"Não há uma crise, há uma pausa", disse ele. "Falar de crise em uma mesa de negociações pausada me parece inadequado."

(Reportagem de Julia Symmes Cobb)