Colômbia fornecerá segurança extra a presidenciável de esquerda

Candidato de esquerda à Presidência da Colômbia Gustavo Petro discursa em Bogotá

BOGOTÁ (Reuters) - O governo da Colômbia fornecerá segurança extra ao candidato presidencial de esquerda Gustavo Petro depois que ele cancelou parte de sua viagem de campanha em meio a relatos de uma ameaça de morte, disse o ministro do Interior, Daniel Palacios, na terça-feira.

Petro cancelou eventos na região cafeeira do país na segunda-feira por causa de uma conspiração de uma gangue criminosa conhecida como La Cordillera para assassiná-lo, disse sua assessoria.

O candidato, que é o favorito para as eleições presidenciais da Colômbia, viajaria para a região, incluindo a cidade de Manizales, na terça e quarta-feira, antes da votação de 29 de maio.

Embora a Polícia Nacional da Colômbia tenha dito inicialmente que não tinha conhecimento de um complô para matar Petro, disse na terça-feira que recebeu informações sobre o complô da campanha de Petro e que uma investigação "rigorosa" estava em andamento.

"Devido às medidas solicitadas pela campanha (de Petro), adotaremos medidas adicionais... para seus movimentos e outros incidentes, especificamente em manifestações ou aglomerações públicas", disse Palacios em mensagem de áudio compartilhada com jornalistas via Whatsapp.

La Cordillera, que opera principalmente na região cafeeira, foi acusada pela polícia pela morte de um organizador local de protestos antigovernamentais do ano passado.

Petro liderou uma pesquisa de opinião na semana passada com 43,6% das intenções de voto no primeiro turno, enquanto seu rival mais próximo, o candidato de centro-direita Federico Gutiérrez, registrou 26,7%.

(Reportagem de Oliver Griffin)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos