Colômbia, refúgio incomum para deslocados pela violência na Venezuela

Con Diego Legrand en Bogotá
·3 minuto de leitura
Soldados colombianos nas próximidades do rio Arauca, no município de Arauquita, na Colômbia, em 25 de março de 2021

Foi a primeira vez que Calixto Velasco viu bombardeiros. De repente, ele estava no meio de uma luta entre os militares venezuelanos e um grupo colombiano na Venezuela.

Assustado, ele buscou refúgio na Colômbia, país que durante décadas viu seus cidadãos partirem devido à violência.

"Muitas pessoas que estão lá há anos dizem que nunca viram isso", disse o ferreiro de 37 anos à AFP.

Ele fugiu do município venezuelano de Paez, Apure (leste), onde eclodiram confrontos no fim de semana. Sua esposa e filhos de 6 e 12 anos o acompanham.

Soldados venezuelanos, ele garante, "levaram muitos trabalhadores" no meio de uma ofensiva contra supostos rebeldes colombianos.

Quase 4 mil pessoas chegaram ao município fronteiriço de Arauquita (nordeste), a maioria venezuelanos, entre domingo e quinta-feira, segundo autoridades.

Eles dormem aglomerados em tendas improvisadas em meio ao agravamento da pandemia.

Velasco pede garantias para voltar à Venezuela por temer saques em sua casa. Outros buscam informações sobre parentes detidos na ofensiva.

“Levaram o meu pai. O nome dele é José Rico, é um inocente, um camponês da comunidade que não tem nada a ver com a guerra (...) Queremos que ajudem a tirá-lo de onde quer que esteja", reclama sua filha Diana Rico em desespero.

- Dissidentes -

Do outro lado da fronteira, os combates continuam e os moradores fogem, segundo fontes oficiais colombianas consultadas pela AFP nesta sexta-feira(26).

Segundo o presidente Nicolás Maduro, os confrontos correspondem a uma ofensiva de suas tropas contra um "grupo ilegal" colombiano.

Até domingo, último saldo disponível, os confrontos deixaram pelo menos três mortos, 14 feridos e 32 detidos.

Para o representante do líder da oposição venezuelana Juan Guaidó na Colômbia, Tomás Guanipa, a violência é consequência de um ataque ordenado por Maduro contra uma ala de guerrilheiros que se afastou do acordo de paz assinado com as FARC em 2016 e que é inimigo de outra facção, supostamente apoiada pelo Chavismo.

O ministro da Defesa da Colômbia, Diego Molano, concorda com essa versão, segundo um áudio enviado à AFP.

“O fundamental é que o regime venezuelano tome a decisão de combater todas as organizações como o ELN (Exército de Libertação Nacional), os dissidentes das FARC (...) que estão presentes nessas áreas e realizam atividades de narcotráfico", afirmou.

Bogotá acusa Maduro de proteger esses grupos armados em seu território.

Caracas nega as acusações e culpa a Colômbia pela violência na fronteira.

- Migração inversa -

A Colômbia desarmou a maior parte da guerrilha mais antiga das Américas com a assinatura de um acordo de paz histórico em 2016. Alguns guerrilheiros rejeitaram o pacto e se reorganizaram em diferentes grupos conhecidos como dissidentes das FARC.

Sem comando unificado e hoje em aparente conflito entre si, os dissidentes somam cerca de 2.500 militantes e se financiam principalmente do tráfico de drogas e da exploração ilegal de ouro e outros minerais, segundo a inteligência militar.

A chancelaria venezuelana denunciou que os grupos armados estavam usando a população como "escudo humano" e prometeu uma "reação contundente" contra a entrada de qualquer organização "regular ou irregular".

Para "apoiar a operação humanitária" nos campos de fronteira, Bogotá enviou cerca de 1.200 soldados para a área de fronteira.

Desde 1970, a pobreza e o conflito armado levaram centenas de milhares de colombianos a emigrar para a Venezuela, então um dos territórios mais prósperos da América do Sul.

Hoje, a Colômbia abriga mais de 1,7 milhão de migrantes que fugiram da crise econômica e política no antigo país do petróleo.

bur-dl/lv/gma/jc