Colômbia se diz incapaz de suportar sozinha migração venezuelana

Carlos Holmes Trujillo

A Colômbia não tem capacidade para aguentar sozinha a chegada de milhares de migrantes que fogem da Venezuela por causa da crise, disse nesta terça-feira o chanceler Carlos Holmes Trujillo, que defendeu novamente um esforço internacional para atender esse problema.

"A Colômbia não pode suportar esta situação sozinha, nós estamos fazendo um grande esforço, se vão continuar fazendo maiores esforços, mas a magnitude da crise é tamanha que não temos a capacidade suficiente para atendê-la", disse Trujillo à Caracol Radio.

O ministro das Relações Exteriores assegurou que a Colômbia, que recebeu ajuda dos Estados Unidos, insistirá em impulsionar "medidas e ações concretas" no plano nacional, regional, multilateral e internacional para enfrentar a onda migratória.

Entre elas, reiterou a necessidade de criar um fundo multilateral de emergência, e de nomear um alto funcionário das Nações Unidas para que coordene as ações orientadas a enfrentar a emergência.

Segundo a ONU, cerca de 2,3 milhões de pessoas deixaram a Venezuela desde 2014, especialmente para os países vizinhos.

A Colômbia, que compartilha 2.200 quilômetros de fronteira com a Venezuela, recebeu nos últimos anos mais de um milhão de pessoas e mais de 820.000 se regularizaram no país.

Trujillo assegurou que o tema será abordado pelo secretário da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, que na quarta-feira chegará a Bogotá para uma visita de três dias, como parte da primeira missão do grupo de trabalho criado no organismo internacional para atender a migração no continente.