Colômbia terá 2º turno entre esquerdista e surpresa populista, indica apuração inicial

BOGOTÁ, COLÔMBIA (FOLHAPRESS) - A eleição presidencial colombiana terá segundo turno, a ser disputado em 19 de junho, entre o esquerdista Gustavo Petro e o populista Rodolfo Hernández, indica o início da apuração neste domingo (29).

Com 67,48% das urnas contabilizadas, Petro tem 40,65%, seguido por Hernández, com 28,09%.

A liderança de Petro não foi uma surpresa, uma vez que o candidato, que tenta chegar ao cargo pela terceira vez, vinha em primeiro lugar nas sondagens desde o início da campanha. A novidade foi Hernández. O ex-prefeito de Bucaramanga apareceu por meses na sexta colocação nos levantamentos, mas nas últimas semanas atropelou os nomes mais cotados para chegar ao segundo turno.

O favorito para enfrentar Petro era o direitista Federico "Fico" Gutiérrez, ex-prefeito de Medellín, apoiado pelo atual governo, de Iván Duque, e pelo Centro Democrático, partido comandado pelo caudilho Álvaro Uribe, popular ex-presidente da Colômbia. Ele tem, no momento, 23,48%.

Se confirmada a tendência da apuração, Hernández também desbancará o centrista Sergio Fajardo, que vinha em terceiro lugar nas pesquisas e tinha a preferência do eleitorado mais urbano.

A decisão de levar Petro e Hernández à disputa final, caso concretizada, está relacionada à forte rejeição a Duque e à continuidade de políticas da direita —a Colômbia jamais foi governada pela esquerda. A inquietação contra um modelo neoliberal na economia e conservador nos costumes se revelou com força nas manifestações populares de 2019 e de 2021, que resultaram em forte repressão da polícia.

Entre as principais propostas do esquerdista estão reforma agrária, redução da taxa de desemprego —atualmente em 12%— por meio da criação de vagas no Estado e diminuição da dependência do país em relação ao petróleo, principal produto de exportação colombiano. Petro tem discurso anti-extrativista e afirmou que priorizará a produção do campo e das indústrias. Nos últimos debates, afirmou que seu governo seria uma social-democracia e que expropriações estavam fora dos planos.

Ex-membro do M-19 que foi preso e torturado na década de 1980, Petro, 62, abraçou a opção democrática depois que a guerrilha da qual fazia parte se desmobilizou. Foi eleito senador duas vezes e também liderou a prefeitura da capital colombiana, Bogotá, o segundo cargo mais importante do país.

Hernández, por sua vez, faz uma campanha baseada em mensagens simples e diretas, com amplo uso de redes sociais, como o TikTok. Aos 76, ficou popular devido ao discurso anticorrupção e às caravanas em motos ou caminhonetes, principalmente no interior do país. Rico empresário do setor da construção, foi prefeito de Bucaramanga e tem origem pobre. Já afirmou ser admirador do ditador nazista Adolf Hitler, para depois pedir desculpas e dizer que tinha se enganado e que, na verdade, queria dizer Albert Einstein.

Apesar de ser contra o aborto e o casamento igualitário, Hernández é a favor da legalização das drogas.

Ambos os finalistas são a favor da implementação completa do acordo com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). O tratado, hoje parte da Constituição, tem encarado dificuldades na prática. Funcionou no desarmamento e na desmobilização da guerrilha e nos julgamentos do tribunal especial, mas pontos como a reforma agrária e a proteção de ex-combatentes ficaram de lado, causando mais de 150 mortes de ex-guerrilheiros e dissidentes, que se uniram a grupos criminosos e ligados ao narcotráfico.

Diferentemente da última eleição, em 2018, neste pleito a paz com as guerrilhas não apareceu como principal preocupação dos colombianos. Desemprego, saúde, impostos e maior participação do Estado nas aposentadorias foram temas que apareceram com mais força nos debates presidenciais.

O dia da eleição transcorreu sem maiores problemas, de acordo com observadores colombianos e estrangeiros, mas episódios de violência ocorreram nos Departamentos de Meta, Caquetá e Guaviare.

Em Meta, houve uma explosão a 100 metros de um local de votação, e em El Retorno uma outra bomba atingiu um soldado, que ficou ferido. As chuvas atrapalharam os colombianos, e em Meta foi necessário mudar mesas de votação para que eleitores pudessem ter acesso às urnas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos