Túneis levam conflito palestino-israelense às entranhas de Jerusalém

María Sevillano.

Jerusalém, 8 abr (EFE).- Entre a Mesquita de Al-Aqsa e o Muro das Lamentações há um emaranhado de túneis que levam ao subsolo da Cidade Antiga de Jerusalém o conflito entre palestinos e israelenses, que tentam provar com a arqueologia sua conexão com a Terra Santa.

O guia Robin Abu Shamseyh conduz um pequeno grupo através destes corredores de mais de 485 metros que revelam camadas de história escrita por otomanos, mamelucos, cruzados, o período islâmico clássico, bizantinos e romanos.

Para Israel, "o objetivo das escavações é explorar e descobrir qualquer evidência que reste do primeiro ou segundo templo", disse Abu Shamseyh no tour por este submundo controlado pela Fundação Israelense para o Patrimônio dos Túneis do Muro das Lamentações, que recriou em maquetes e filmes como acredita-se que era a vida na Cidade Santa há dois mil anos.

A historiografia judaica situa ali, a dezenas de metros de profundidade da Esplanada das Mesquitas (sagrada para judeus e muçulmanos), o espaço onde foram erguidos os dois templos de culto judaico, o último destruído pelos romanos e cujo vestígio é o Muro das Lamentações.

Na travessia é possível ler uma mensagem: "Você está no ponto mais próximo do mais sagrado dos lugares sagrados do Monte do Templo" (nome da Esplanada no judaísmo, denominada Nobre Santuário no islã).

Neste lugar começou o mundo e foi guardada a Arca da Aliança com os Dez Mandamentos, segundo a tradição judaica, e agora reúne, orando em silêncio, os poucos crentes que cabem no estreito corredor.

Enquanto centenas de visitantes e fiéis percorrem os túneis diariamente e sua sinagoga, grupos e autoridades palestinas, inclusive o ministro para Assuntos Religiosos, Youssef Ideis, denunciam que a busca para provar o vínculo entre o povo judeu e Jerusalém põe em perigo a estrutura da mesquita Al-Aqsa, um risco que os arqueólogos israelenses negam.

A vontade de controlar este lugar sagrado, o primeiro para os judeus e o terceiro para os muçulmanos, põe Jerusalém Oriental no coração das tensões entre palestinos e israelenses, que ocupam esta parte da cidade desde 1967.

"Sob a supervisão dos arqueólogos israelenses, sua narrativa é a dominante", declarou Abu Shamseyh, ressaltando que muitos fatos "foram manipulados para que pareça que lhes une com os israelenses. Mas, se nos referirmos aos achados arqueológicos, veremos que não é assim".

Como exemplo, cita o que classifica como restos de uma cisterna mameluca que, de acordo com as explicações israelenses, é descrita como um "mikve", ou "banheiro de purificação" judeu.

É uma situação complexa, segundo reconheceu à Efe Gideon Avni, diretor do Departamento de Arqueologia da Autoridade de Antiguidades de Israel, responsável por tramitar os achados de um solo extremamente prolífico em descobertas arqueológicas e que foi mais perfurado que a histórica Roma.

"A arqueologia foi utilizada com enfoques nacionalistas e políticos desde o século XIX, não é algo exclusivo deste contexto", afirmou, destacando que "é preciso levar em conta que existe uma grande diferença entre os trabalhos arqueológicos profissionais e a interpretação que recebe em termos políticos e religiosos".

Os arqueólogos, segundo assegurou, observam "as jazidas, o que existiu", mas admitiu que, depois, "quem te explica é o guia, que pode modificar o que vê e interpreta".

"Nós damos informação às pessoas para que reconstruam sua identidade (...) Mas às vezes há um mal uso no processo de criação", salientou.

O desejo de impedir que esta ciência se transforme em uma arma política ou de propaganda no conflito palestino-israelense é a base da organização israelense Emek Shaveh.

Seu diretor, Yonathan Mizrahi, explicou à Efe que, quando se faz uma escavação, há uma metodologia a seguir - documentar, publicar, analisar -, "que não se fez aqui durante algum tempo, razão pela qual podem te contar o que queiram: que Jesus ou Maomé caminharam por aqui, o que seja".

Mesmo assim, declarou que "não se pode ignorar que foi encontrada uma parede enorme, continuação do Muro das Lamentações", da mesma forma que outros achados, e descarta que as escavações estejam sendo praticadas sob Al-Aqsa e ponham em risco seus alicerces, como acusam alguns movimentos palestinos.

"Segundo entendo, o que ocorre aqui é que é um projeto político pelo qual Israel controla este espaço", algo que, sem dúvida, provoca oposição. EFE