Coliving: tendência chega com força ao mercado carioca

·3 minuto de leitura

O compartilhamento de espaços vem despontando como uma alternativa viável à falta de áreas para novas construções nas grandes metrópoles. Muito comuns na Europa e nos Estados Unidos, os chamados coliving são uma tendência recente no Brasil, que ganhou força com a crise da pandemia. Esse conceito de moradia compartilhada, que estimula a integração, a sustentabilidade e a colaboração, chega ao mercado imobiliário carioca ainda neste mês por meio de um projeto do Opportunity Fundo de Investimento Imobiliário: o Hub Coliving, na Rua das Marrecas, no Centro.

— Acredito que outros projetos serão lançados, porque é um bom negócio tanto para quem vai comprar para morar perto do trabalho, por exemplo, quanto para o investidor — diz o gestor do Fundo, Jomar Monnerat.

O Hub Coliving tem 80 estúdios, com área entre 33 e 67 metros quadrados, todos com armários planejados. A área de convivência integrada inclui serviços de coworking, sala de cinema, espaço fitness, lavanderia, piscina, delivery point e segurança 24 horas.

O gestor do Opportunity explica que o fundo resolveu investir nesse modelo por entender que é preciso oferecer soluções eficientes de moradia, com serviços e conveniências para que o morador e o investidor estejam seguros de que fizeram uma excelente aquisição. A ideia de um retorno rápido de investimento foi decisiva para o empresário Lucas Andrade Ferreira Diaz Abreu comprar um estúdio no Hub. Mesmo antes de as chaves serem entregues, ele já recebeu sondagens de pessoas interessadas em alugar o imóvel.

— Esse tipo de moradia é ideal para pessoas solteiras que querem morar perto do trabalho, para jovens que desejam sair da casa dos pais, para estudantes de outros estados ou para casais que estão começando a vida. Em geral, quem procura apartamento pequeno só encontra em prédios antigos. Agora, tem a chance de morar num edifício novo, com comodidades — observa.

Localização

Segundo Monnerat, a localização do empreendimento é um dos pontos mais destacados por quem já adquiriu uma unidade no Hub. Ele fica perto do Passeio Público, da Lapa e de estação de metrô e tem o Aterro do Flamengo como quintal. O gestor lembra que as empresas estão voltando ao modelo presencial, o que torna o empreendimento ainda mais atrativo.

— O Hub fica em um endereço estratégico, perto de tudo. Naquela região, tem boa gastronomia, cultura, serviços e mobilidade. E vale lembrar que compartilhar espaços é uma forma de economizar e de colaborar com a sustentabilidade — acredita.

Na opinião de Sylvio Pinheiro, diretor da G+P Soluções, consultoria especializada em práticas e técnicas construtivas e de gestão, esses empreendimentos são localizados em lugares centrais, com locomoção prática, que facilita a vida de todos. Para ele, as vantagens do coliving são realmente muitas, seja para o incorporador, para o investidor ou para o morador:

— Quem incorpora consegue precificar melhor o metro quadrado, pois as unidades têm tíquete de partida baixo e rendem boa remuneração; quem compra para investir aluga sem burocracia e com valores menores; e quem mora tem no mesmo espaço áreas de trabalho, de lazer e de convívio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos