Collor lança candidatura ao governo de Alagoas e mira eleitores de Bolsonaro

Após desistir da reeleição ao Senado em virtude da dificuldade de construir alianças sólidas com os principais grupos políticos de Alagoas, o ex-presidente e senador Fernando Collor (PTB) lançou nesta terça-feira sua pré-candidatura ao governo do estado. Em vídeo divulgado hoje, Collor diz que tem apoio do presidente Jair Bolsonaro.

Daniel Silveira: PGR pede que STF reconheça indulto a deputado e declare extinção da pena

Vídeo: Pré-candidato, filho de Queiroga fala como representante do governo em evento do Ministério da Saúde

Sonar: Carla Zambelli é bloqueada por Janja no Twitter e reclama: "Casal bloqueia geral"

— A minha pré-candidatura nasce com apoio do presidente Jair Bolsonaro, que é o presidente do Auxílio Brasil, do Auxílio pandemia, do Vale Gás, do programa Casa Verde e Amarela, da transposição do Rio Francisco, do apoio ao agro e à agricultura familiar — diz o ex-presidente.

Segundo pessoas próximas a Collor, a ideia é apostar no eleitorado bolsonarista e tentar conquistar a base de prefeitos ligados ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). O candidato declarado de Lira, o senador Rodrigo Cunha (UB), estaria com dificuldades de dialogar com alguns municípios, segundo Collor tem dito a interlocutores.

O atual governador, Paulo Dantas (MDB), tentará se reeleger em outubro. Ele tem apoio do ex-presidente Lula e do grupo do senador Renan Calheiros (MDB-AL). A desistência de Collor de concorrer a senador foi motivada pelo favoritismo nas pesquisas até o momento de Renan Filho (MDB), ex-governador, para a vaga do Senado.

Leia: Sob pressão, Moro não garante candidatura no Paraná e diz que mulher 'está pronta' para representá-lo em SP

Nos últimos meses, Collor buscou o apoio de Lira e outros candidatos para se reeleger senador, mas não conseguiu fazer parte de nenhuma das principais chapas.

Além de Paulo Dantas, Collor e Rodrigo Cunha, concorre também ao governo do estado o ex-prefeito de Maceió Rui Palmeira, pelo PSD. Ele tenta uma candidatura de centro, sem associar sua imagem a Lula ou Bolsonaro.

— Não estarei nos extremos, mas vou esperar a definição do meu partido para me posicionar — diz Palmeira ao GLOBO.

Nos bastidores, aliados de Renan avaliam que ainda seria possível uma composição com Palmeira para tentar concentrar os votos na chapa de Renan Filho e Paulo Dantas. Palmeira tem boa relação historicamente com o MDB mas, por enquanto, está determinado a lançar candidatura própria.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos