Comércio e igrejas voltam a funcionar em São Paulo após mais de um mês na fase vermelha

Ruan de Sousa Gabriel
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO — O comércio e as igrejas do Estado de São Paulo reabriram neste domingo depois de pouco mais de 40 dias fechados. Lojas de rua, shoppings e demais estabelecimentos não essenciais foram obrigados a encerrar o atendimento presencial em 6 de março, quando o estado voltou à fase vermelha. Na sexta-feira passada, o governo paulista anunciou uma “fase de transição” e permitiu, com restrições, a reabertura do comércio e a realização de cerimônias religiosas a partir de domingo.

Ainda no sábado, antes da reabertura, já havia aglomeração e lojas atendendo clientes da Rua 25 de março, um dos mais movimentados centros comerciais da capital paulista.

As igrejas também voltaram a receber fiéis neste domingo. O cardeal arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, rezou uma missa na Catedral da Sé, no centro de São Paulo. Em nota, Dom Odilo recomendou “que todos continuem a zelar, da melhor forma possível, da própria saúde e da saúde do próximo”. “A pandemia somente poderá ser vencida mediante a colaboração e o esforço perseverante de todos”, afirmou.

A Arquidiocese de São Paulo lembrou que as novas diretrizes do governo estadual permitem a realização de celebrações religiosas mediante a ocupação de, no máximo, 25% do espaço dos tempos, distanciamento de 2,5 metros entre os fiéis, uso de máscara e medição de temperatura na porta. Em 8 de abril, o Supremo Tribunal Federal (STF) permitiu aos estados e municípios restringir a realização de cultos e missas em razão da pandemia de Covid-19.

O comércio também deve respeitar o limite de 25% da capacidade, que é menor do que previsto nas outras fases do Plano São Paulo. Antes, a menor ocupação exigida era de 40% (válido nas fases laranja e amarela, de maior flexibilização).

A partir do próximo sábado (24), bares, restaurantes, parques, academias, salões de beleza, parques, clubes e museus também poderão reabrir com restrições. O comércio e o restante setor de serviços poderão funcionar das 11h às 19h. Academias poderão funcionar das 7h às 11h e das 15h às 19h.

Segundo o governo, a flexibilização da fase vermelha deve durar suas semanas. O relaxamento das medidas restritivas foi atribuído à queda na taxa de ocupação dos leitos no estado:

— Essa semana, que ainda não se encerrou, é a segunda semana consecutiva de queda no percentual de internações. Baixamos 10% o número de internações — contou Jean Gorinchteyn, secretário da Saúde.

Foi notada uma redução diária de 1,4% de ocupação nas UTIs, o que representa uma diminuição de 140 pacientes por dia nos leitos intensivos, de acordo com Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 em São Paulo.

A fase seguinte prevista pelo Plano São Paulo é a laranja, em que há retomada das atividades presenciais e regionalização das medidas de acordo com a ocupação de leitos de cada cidade.