Comércio do Rio cumpre decreto; mas idosos continuam nas ruas da cidade

Rafael Nascimento de Souza
Comércio fechado na rua Visconde de Pirajá, em Ipanema, por causa do decreto imposto pela prefeitura do Rio

No primeiro dia do decreto municipal que proíbe o funcionamento das lojas no Rio, a ordem tem sido cumprida na capital fluminense. Por onde se anda, os estabelecimentos, como bares, restaurantes e lojas, estão com as portas cerradas. Exceto aqueles cujo funcionamento está permitido, com algumas restrições, como supermercados, farmácias, padarias e postos de gasolinas.

Com o objetivo de evitar aglomerações nas ruas e conter o contágio por coronavírus, a medida entrou em vigor nas primeiras horas desta terça-feira. Quem descumprir, será multado pela prefeitura.

Em bairros de diferentes regiões da cidade, o decreto está sendo cumprido à risca. Da Lapa, no Centro do Rio, à Zona Sul só os estabelecimentos essenciais estão funcionando. Na Praça General Osório, em Ipanema, a feira livre acontece normalmente, com muitos clientes se protegendo com máscaras e luvas.

Na Zona Norte, o Mercadão de Madureira,  principal mercado popular da região, está fechado por tempo indeterminado.

O fechamento do comércio, no entanto, não tirou as pessoas totalmente das ruas. Na orla de Copacabana e de Botafogo, por exemplo, muitos faziam a caminhada matinal e outros se exercitavam normalmente. Em Ipanema, idosos circulavam, normalmente, pelas padarias.

Confira o que pode funcionar: