Com álcool proibido na Copa, 'tendas de sobriedade' são suspensas e patrocinadora fica 'escondida'

Havia grande expectativa de como a Fifa e os organizadores iriam lidar com os torcedores estrangeiros que se excedessem na bebida alcoólica antes dos jogos da Copa do Mundo do Catar. A ideia de uma "tenda de sobriedade" antes da entrada do estádio foi divulgada pelos organizadores. Mas o problema foi resolvido com uma solução que pegou muitos de surpresa: não vender cerveja nos arredores das arenas em nenhum momento, restringindo o consumo em hotéis e na Fun Fest por um período limitado. Assim, na abertura do Mundial, possíveis torcedores bêbados não foram uma questão.

Cerveja proibida na Copa: por que o Catar é tão duro com consumo de bebida alcoólica?

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Guga Chacra: Catar é bem diferente de Líbano e Tunísia

Funcionários de dentro do estádio nem sabiam informar a existência de alguma local específico para torcedores possivelmente embriagados. Com um estádio repleto de homens cataris, visivelmente destacados pelo thobe e ghutra brancos, a túnica e o lenço da cabeça típicos do vestuário masculino árabe, e algumas mulhares de abaya e hijab pretos, a tradicional roupa feminina, a questão da bebida dificilmente traria problemas à organização.

Os equatorianos estavam em menor número e fizeram sua festa sem álcool. A longa distância do estádio Al Bayt do centro de Doha também contribuiu para aqueles que se excederam chegassem sóbrios. Sem metrô, o acesso foi feito apenas por ônibus da organização que saíram de pontos estratégicos de Doha. O trajeto durou mais de uma hora por causa do trânsito - muitos cataris foram de carro e encheram o estacionamento - e uma certa desorganização dos responsáveis pelo tráfego.

Saiba mais: Como a religião e a tradição determinam o guarda roupa dos muçulmanos no Catar

Guia interativo da Copa do Mundo: Saiba tudo sobre os 831 jogadores do Mundial do Catar

Além de ter decidido por não vender bebidas alcóolicas nas proximidades do estádio, a organização local, de certa forma, conseguiu esconder a patrocinadora oficial da Fifa. Em toda a área de convivência da torcida, que em momento algum foi tomada pelos torcedores, não se via referência à cerveja Budweiser. Já a marca de refrigerante tomou todo o espaço colorindo o local de vermelho.

Dentro do estádio, apenas a versão sem álcool era vendida nos bares externos às arquibancadas num anúncio bem discreto. A latinha de 500ml está custando 30 cataris, quase R$ 45.