Com 11 mil pacientes em UTI, São Paulo atinge números esperados para a 3ª onda

·2 minuto de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - MAY 20:  Dr. Leandro Santos performs a central venous catheter procedure on a COVID-19 patient in the Intensive Care Unit (ICU) of a former men’s hospital, which has been converted into a field hospital for COVID-19 patients, on May 20, 2021 in Sao Paulo, Brazil. The hospital currently has 20 ICU beds, 16 of which are occupied. Health experts are warning that Brazil should brace for a new surge of COVID-19 amid a slow vaccine rollout and relaxed restrictions. The state of Sao Paulo has registered more than 3 million cases of COVID-19 and more than 100,000 deaths. More than 440,000 people have died in Brazil by COVID-19, second only to the U.S.  (Photo by Mario Tama/Getty Images)
Centro de Contingência da Covid-19 em São Paulo nega que haja colpaso da rede hospitalar (Foto: Mario Tama/Getty Images)
  • São Paulo tem mais de 11 mil pacientes internados com covid-19 em UTI, com ocupação de 82%

  • Centro de Contingência nega que haja um colapso da rede hospitalar do estado

  • São Paulo está na "Fase de Transição", com comércio aberto das 6h às 21h

Ao permitir uma maior flexibilização do isolamento social no estado, o governo de São Paulo havia estipulado um limite de pacientes internados em UTI que acenderia o alerta na gestão de João Doria (PSDB). O número foi ultrapasso na última terça-feira (8).

Quando o governo Doria anunciou a prorrogação da “Fase de Transição”, em 19 de maio, o Centro de Contingência admitiu que os indicadores da pandemia poderiam subir. Na ocasião, João Gabbardo, secretário executivo do Centro de Contingência, falou em 11 mil pessoas com covid-19 internadas em Unidades de Terapia Intensiva.

Leia também

Na última terça, São Paulo passou a marca e tem 11.189 pacientes em UTI, ocupação de 82% dos leitos. Outras 13.358 estão em leitos de enfermaria. Os índices são considerados de colapso no sistema hospitalar.

Mesmo assim, o Centro de Contingência afirma que a situação não é tão ruim como em outras ocasiões. Ao G1, Paulo Menezes, coordenador do núcleo, disse que a os especialistas não consideram que a situação esteja fora de controle.

“A avaliação é de que esse momento é distinto daquele. Por alguns motivos baseados em indicadores. Em abril nós chegamos a 13 mil pacientes internados em UTI, hoje estamos com 11.189, um pouco mais do que o Gabbardo tinha falado. Ainda há uma distância muito grande”, diz.

Segundo Paulo Menezes, a situação é tensa e preocupa, mas ele nega que haja perspectiva de colapso. “É uma situação tensa, que preocupa, que faz com que estejamos acompanhando todos os dias, mas não é uma situação que consideramos fora de controle. Não há uma perspectiva de colapso, embora a situação seja preocupante. Nesse sentido, a gente espera que sejam mantidas as medidas de isolamento e o avanço da vacinação.”

Atualmente na “Fase de Transição”, São Paulo permite a abertura do comércio e do setor de serviços entre 6h e 21h, com ocupação máxima dos estabelecimentos de 40%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos