Com alta de casos, Doria recua e Fase de Transição em SP é prorrogada até 14 de junho

·2 minuto de leitura
Picture of an empty street in Sao Paulo, Brazil, taken on March 15, 2021 hours before a night-time curfew takes effect in the state of Sao Paulo amid the novel coronavirus COVID-19 pandemic. - The state of Sao Paulo has been in a
Estado de São Paulo ficará na Fase de Transição até 14 de junho (Foto: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP via Getty Images)
  • Com alta de casos, Doria recua e Fase de Transição em SP é prorrogada até 14 de junho

  • Dessa forma, o comércio e o setor de serviços seguirão funcionando das 6h às 21h, com 40% da ocupação e o toque de recolher, entre 21h e 5h, continua em vigor

  • Na semana anterior, o tucano havia informado que São Paulo passaria a um novo horário de funcionamento, a partir de 1 de junho; no entanto, Doria falou em ter "cautela" com a atual situação

O estado de São Paulo vai ficar na chamada "Fase de Transição" até 14 de junho. Dessa forma, o comércio e o setor de serviços seguirão funcionando das 6h às 21h, com 40% da ocupação. O toque de recolher, entre 21h e 5h, continua em vigor. O anúncio foi feito pelo governador João Doria (PSDB) durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes. 

Na semana anterior, o tucano havia informado que São Paulo passaria a um novo horário de funcionamento, até às 22h, com 65% de ocupação, a partir de 1 de junho. No entanto, Doria falou em ter "cautela" com a atual situação do estado. O estado apresenta uma alta no número de casos de Covid-19.

Leia também

"É um momento que requer muita cautela, nós precisamos, de fato, cumprir os protocolos e precisamos respeitar o toque de recolher, esse foi um pedido específico do Centro de Contingência", explicou Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico do estado.

Nos indicadores apresentados pelo secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, há um aumento no número de casos, internações e mortes em relação a semana anterior. A ocupação de leitos de UTI no estado está em 80,6%. 

Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência, explicou que o grupo reavaliou e entendeu que não era o momento de permitir uma reabertura ainda mais ampla.

"Hoje, temos 418 casos por 100 mil, um aumento de 10% nessa incidência. O aumento no número de internações é mais discreto, felizmente", apontou.

Sao Paulo Governor Joao Doria gives a news conference on the status of the new coronavirus data and response six months into the pandemic in Sao Paulo, Brazil's worst-hit state, and an update on vaccine trials in Sao Paulo, Brazil, Friday, Sept. 4, 2020. (AP Photo/Andre Penner)
Por este motivo, o coordenador afirmou que "os protocolos são necessários". Ele ainda reforçou a importância do uso de máscara e do distanciamento (Foto: AP Photo/Andre Penner)

Alta circulação do vírus no estado

Segundo ele, é necessário manter todas as medidas de segurança, porque "continuamos tendo uma circulação alta do vírus". Por este motivo, o coordenador afirmou que "os protocolos são necessários". Ele ainda reforçou a importância do uso de máscara e do distanciamento. 

"As projeções indicam que esse mês ainda teremos algum recrudescimento nas próximas semanas, mas, as projeções mostram que, a partir da segunda quinzena de junho, início de julho, devemos ter uma melhora progressiva nesses indicadores principais. Dessa forma, nossa avaliação é que continuamos caminhando com essa seriedade e segurança", afirmou. 

João Gabbardo, também responsável pelo Centro de Contingência, afirmou que o aumento de casos e internações é pequena, mas também disse que há a preocupação com a variante indiana, já identificada em um paciente que chegou da Índia em São Paulo. "Nós ainda estamos em patamares bastante elevados da doença, mas a gente vislumbra uma possibilidade de melhora dessa pandemia", pontuou.