Com aumento de 63% em novos casos de Covid, Niterói se aproxima do estágio Laranja

Giovanni Mourão
·3 minuto de leitura

NITERÓI — Após a explosão de casos em dezembro (média de mais de mil por semana), a alta de mortes em janeiro e a queda dos números da Covid-19 em fevereiro, Niterói registrou aumento de 63% de infecções na primeira semana de março. A cidade alcançou 9,38 pontos na tabela de indicadores da pandemia: o pior índice desde junho. Se alcançar dez pontos, o município sobe para o estágio Laranja, restringindo mais atividades e serviços, conforme previsto no plano de transição estabelecido pela prefeitura em maio.

Uma vez no estágio Laranja, fica suspenso o funcionamento de cinemas, bares, restaurantes bufê, teatros, clubes, academias, igrejas, praças, comércio de rua e shoppings. Desde junho, Niterói está no nível Amarelo 2, com menos restrições. Os critérios do plano foram definidos pelo comitê científico formado por especialistas da UFF, da UFRJ e da Fiocruz: o grupo atuava com o município desde o início da pandemia, mas foi destituído em dezembro. Este mês voltou novamente à tomada de decisões.

A planilha de indicadores de 4 de março evidencia que os números atuais não são os piores da pandemia, mas preocupam, pois vêm crescendo de forma paralela. Para tentar atenuá-los, a prefeitura anunciou a proibição, até sexta-feira, da permanência de pessoas nas ruas entre 23h e 5h, além de limitações no comércio, nos bares e nas praias.

Foram 311 novos casos de Covid-19 registrados em sete dias, contra 196 na semana anterior: alta de 63%. No mesmo período, a taxa de ocupação de leitos de UTI subiu de 34% para 38%: 134 para 147 pacientes internados. As mortes, contudo, tiveram queda: 19 óbitos contra 23 do boletim anterior.

Rodrigo Oliveira, secretário municipal de Saúde, ressalta que os números comprovam o acerto de não esperar chegar no estágio Laranja para tomar as medidas de restrição de circulação. “Em dez dias, o Hospital Municipal Oceânico saiu de 63 para 93 internados: 30 pessoas a mais", conta ele.

— Está claro que é fundamental manter as medidas restritivas para reduzir o crescimento de casos e controlar as internações. O Brasil está no pior momento da pandemia e não temos indícios de que está passando. Vários estados em colapso e regiões perto de 100 % da taxa de ocupação de leitos. Estamos olhando para o que está acontecendo e precisamos gerenciar a proteção da vida dos niteroienses. Mas a população precisa continuar fazendo a sua parte — disse Oliveira, em live transmitida na quinta-feira.

Até quinta-feira, Niterói acumulava 29.860 infectados pela Covid. Desse total, 858 morreram. A letalidade da doença é de 2,8%.

Adesão aprovada

Na quarta-feira, a Câmara Municipal aprovou um projeto de lei do governo autorizando a adesão de Niterói ao consórcio da Frente Nacional de Prefeitos para compra de vacinas, sendo sancionado quinta-feira pelo prefeito Axel Grael.

Em fevereiro, alegando vício de iniciativa, Axel vetou uma proposta, de autoria da bancada do PSOL, que já autorizava a aquisição de imunizantes aprovados pela Anvisa, mesmo fora do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Também foi aprovada e sancionada a extensão, até julho, dos programas Renda Básica Temporária, Busca Ativa e Empresa Cidadã.

O Renda Básica e o Busca Ativa atendem cerca de 50 mil famílias, que recebem mensalmente um cartão de R$ 500 que pode ser usado em mercados e farmácias. Já o Empresa Cidadã é destinado ao pagamento de um salário-mínimo para determinado número de funcionários de micro e pequenas empresas. A previsão de investimento com a prorrogação dos programas é de cerca de R$ 164 milhões.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)