Com avanço da Ômicron, casos de dupla infecção por Covid e gripe se espalham pelo país

·3 min de leitura
Pandemia de Covid-19 no Brasil

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - Casos de infecção simultânea de Covid-19 e outro tipo de vírus respiratório, como influenza, começaram a ser identificados país afora, em meio ao avanço da variante Ômicron e o relaxamento dos cuidados das pessoas com medidas de prevenção contra o coronavírus na virada do ano.

A chamada "flurona", acrônimo formado pelos nomes dos vírus influenza e coronavírus, já foi detectada pelas autoridades santitárias de São Paulo e do Rio de Janeiro, além de haver relatos de outros lugares em que a coinfecção tem ocorrido.

Em comunicado, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo informou que foram registrados 110 casos de infecção conjunta por influenza e Covid-19, conforme dados de todo o ano de 2021.

Na capital do Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal de Saúde informou ter entrado em contato com dois pacientes com resultados positivos para as duas doenças, a partir de exames feitos na rede particular, e está fazendo a devida investigação epidemiológica.

"A coinfecção não é algo comum, mas já há registros dessa ocorrência em alguns países", disse a secretaria municipal.

Há relatos também de casos de infecção dupla no Ceará, no Rio Grande do Norte e em Mato Grosso do Sul, segundo órgãos de imprensa.

Questionado sobre quais medidas estaria tomando em relação a esses casos, o Ministério da Saúde disse que os dados das amostras são analisados para identificar o perfil epidemiológico dos casos e conhecer os vírus respiratórios circulantes, com o objetivo de traçar medidas de prevenção e de controle pelas autoridades de saúde.

"Por fim, a pasta informa, ainda, que já iniciou as tratativas junto ao Instituto Butantan para aquisição das doses para a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza que será realizada em 2022, conforme ocorre anualmente", informou.

"O imunizante encomendado é o recomendado pela OMS para o hemisfério sul no ano de 2022 e contempla em sua composição o vírus H3N2, circulante no país neste momento. A vacinação contra a Covid-19 segue Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 (PNO), com foco na aplicação de segundas doses e doses de reforço".

CASOS COMUNS

De acordo com Alexandre Naime, chefe do departamento de infectologia da Unesp, é muito comum a coinfecção por dois vírus respiratórios, como influenza e o vírus do resfriado, mas antes da pandemia isso acabava não sendo divulgado por não ter maior relevância clínica.

"Ela (dupla infecção) está sendo mais detectada agora porque as medidas de prevenção e de circulação estão caindo por terra e o vírus da influenza está tendo maior circulação. Também agora está circulando a Ômicron", disse.

"Nós temos agora um vírus da Covid extremamente transmissível com a circulação de um vírus da influenza para a qual a vacina não tem cobertura".

Para Naime, pacientes que tenham sido vacinados com duas ou mais doses contra Covid não causam preocupação porque evoluem muito bem, mesmo se forem infectados pelo coronavírus e Influenza ao mesmo tempo. Contudo, ele ressalvou que pode haver complicações para quem não se vacinou ou só tomou uma dose do imunizante contra Covid.

Naime, que é consultor para Covid-19 da Sociedade Brasileira de Infectologia e da Associação Médica Brasileira, disse que a vacina da gripe ministrada no início do ano protege contra a H3N2, mas não contra a variante que está circulando no país no momento. Mas ele destacou que isso não significa que as pessoas não devem se vacinar contra influenza e que é possível que ocorra a imunização cruzada com a vacina passada.

(Edição de Pedro Fonseca)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos