Com banhos de flores e rituais andinos, peruanos pedem saúde em 2021

Carlos MANDUJANO
·2 minuto de leitura

Centenas de pessoas formaram fila nesta quarta-feira(30) para o ritual do banho de flores na tradicional Feria de Los Deseos, em Lima.

Vinte "yatiris", ou feiticeiros, do Peru e da Bolívia chicoteavam flores sobre as cabeças dos participantes para expulsar os espíritos malignos. Em seguida, passavam penas de condor e ovos de avestruz em uma sessão de 10 minutos.

Os apetrechos são desinfetados com álcool para afastar as forças negativas de 2020, principalmente o novo coronavírus.

Ao final, cada um recebe um amuleto com sementes para a saúde e objetos em miniatura. O custo é de 25 soles (cerca de sete dólares).

- Saúde, o principal desejo -

Os curandeiros também se dedicam a ganhar algumas moedas prevendo o futuro. A leitura é feita com folhas de coca, a mítica planta andina dos tempos do império inca e à qual se atribuem propriedades revigorantes.

Também são vendidas as "alasitas", miniaturas que simbolizam os desejos.

Os pedidos mais frequentes são por uma casa, boa saúde, casamento e divórcio.

Os curandeiros pedem um período de até 12 meses para que se realizem e oferecem um certificado.

“Devido à pandemia, o que as pessoas mais compram são certificados de saúde, o que é um desejo inevitável para o próximo ano”, disse Lidia Cortez, coordenadora da feira.

Os banhos de flores são uma tradição da cultura andina praticada nestas datas para eliminar más vibrações e começar bem um novo ano.

- Xamãs pedem vacina -

Às margens do rio Rímac, quatro xamãs beberam ayahuasca antes de pedir à Yacumama (mãe d'água) saúde para a humanidade e a chegada de uma vacina contra o coronavírus aos Peru.

A ayahuasca é uma planta tradicional da Amazônia, cujo consumo produz alucinações.

No Peru, o coronavírus infectou mais de um milhão de pessoas e matou cerca de 38.000 desde que o primeiro caso surgiu, há nove meses.

cm-ljc/lda/jc/mvv