Com Black Friday, vendas no varejo sobem pelo sétimo mês seguido

Movimento na Black Friday, no Botafogo Praia Shopping, no Rio.

RIO — As vendas no varejo brasileiro mantiveram, em novembro, a trajetória de crescimento nos últimos meses, expandindo 0,6% na comparação com outubro. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE. Este foi o sétimo mês consecutivo de alta no indicador, beneficiado no mês pelo bom desempenho da Black Friday.Na comparação com o mesmo período do ano passado (novembro de 2018), as vendas no varejo aumentaram 2,9%. No ano, o indicador já acumula alta de 1,7%. Em 12 meses, no entanto, a alta passou de 1,8% em outubro para 1,6% em novembro, o que sinaliza "perda de ritmo nas vendas", na avaliação do IBGE.

Leia:Juros do crédito consignado atingem menor patamar desde 2004, diz BCEntre as oito atividades pesquisadas, quatro tiveram altas, sendo que três delas foram diretamente influenciadas pela Black Friday: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (4,1%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,0%) e móveis e eletrodomésticos (0,5%).

As vendas no setor de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,0%), com maior peso no índice, ficaram estáveis na comparação com outubro.

Segundo o IBGE, a alta de 0,6% em novembro, apesar de apontar para uma redução do ritmo de crescimento do setor em 2019, foi positiva. O volume de vendas registrou o maior patamar desde dezembro de 2016, período crítico da crise no setor. No entanto, segue 3,7% abaixo do recorde alcançado em outubro de 2014.

Na avaliação da gerente da pesquisa, Isabella Nunes, o varejo está encerrando 2019 melhor do que iniciou, com uma melhora no mercado de trabalho, apesar de predominar a informalidade, e na massa de rendimentos. — O crescimento de 0,6% é relevante porque manteve a taxa positiva pelo sétimo mês seguido, o que fez novembro registrar o patamar mais elevado desde dezembro de 2016. Isso mostra que o setor vem mantendo a recuperação — disse.

Varejo ampliado

Na análise do varejo ampliado, que considera as vendas de veículos e materiais de construção, o volume de vendas caiu 0,5% em novembro, na comparação com outubro. A queda interrompeu a série de oito meses de crescimento contínuo, período em que acumulou ganho de 5,1%

O resultado negativo foi influenciado pelo queda no segmento de vendas de veículos e peças (-1,0%) e da estabilidade no comércio de materiais de construção (0,1%).

— O segmento de veículos não sustentou o crescimento em novembro, depois de dois meses de crescimento (3,5%). É comum essa acomodação. A atividade vem mostrando dinamismo ao longo de 2019, acumulando no ano alta de 10,1%. Foi um bom ano para o segmento — explicou Isabella Nunes.

Na comparação com o mês de novembro de 2018, o volume de vendas do varejo ampliado teve crescimento de 3,8%. O indicador acumula alta de 3,8% no ano e também de 3,6% nos últimos 12 meses.

Apesar do resultado, as vendas no varejo aplicado ainda estão 7,5% abaixo do ponto do recorde de atividade econômica, alcançado em agosto de 2012.