Com câncer, Bruno Covas vai para UTI e é intubado

THIAGO AMÂNCIO
·3 minuto de leitura
**Arquivo**SÃO PAULO, SP, 30.12.2019 - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), no terraço de sala de reuniões da Prefeitura de São Paulo, no Viaduto do Chá, durante entrevista exclusiva para a Folha de São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
**Arquivo**SÃO PAULO, SP, 30.12.2019 - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), no terraço de sala de reuniões da Prefeitura de São Paulo, no Viaduto do Chá, durante entrevista exclusiva para a Folha de São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Tratando de um câncer que começou no sistema digestivo, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, foi internado na Unidade de Terapia Intensiva do hospital Sírio-Libanês e está intubado, informou a prefeitura da capital nesta segunda-feira (3).

Covas foi internado no domingo (2) para fazer exames de sangue, de imagens e endoscópico para continuar o tratamento de quimioterapia e imunoterapia, diz a prefeitura. A endoscopia mostrou que havia um sangramento no local do tumor inicial, na cárdia, entre o esôfago e o estômago.

O prefeito então foi levado à UTI e intubado.

Covas é acompanhado pelos médicos David Uip, Artur Katz, Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e Roberto Kalil Filho.

O câncer do prefeito originou-se na cárdia, uma válvula no trato digestivo, e depois afetou também o fígado. Ele iniciou tratamento ainda em 2019 e evitou, desde então, afastar-se de suas funções na prefeitura, limitando suas licenças médicas.

Entre outubro de 2019 e fevereiro último, o prefeito fez oito sessões de quimioterapia. As lesões cancerígenas regrediram, mas não desapareceram por completo.

Em fevereiro, um novo nódulo no fígado foi descoberto. Na ocasião, a equipe médica disse que o câncer no sistema digestivo que ele trata desde 2019 conseguiu "ganhar terreno", mas que ainda era menor do que o primeiro encontado há dois anos.

No último dia 16, os médicos anunciaram que exames detectaram o surgimento de novos focos de câncer no fígado e ossos do prefeito e ele foi internado novamente.

Mas no último dia 27, os médicos anunciaram que ele teria alta. A prefeitura informou à época que a internação se prolongou devido ao acúmulo de líquido entre os pulmões e a pleura (membrana que reveste os pulmões), dentro da caixa torácica. O acúmulo é decorrente de uma inflamação provocada por um dos tumores no fígado. Covas fez drenagem pleural e seu quadro evoluiu com sucesso, dizem os médicos, com redução do líquido e melhora clínica, o que permitiu que ele deixasse o hospital.

Em casa, o prefeito estava recebendo alimentação venosa suplementar para recuperar o peso perdido nos últimos meses, e faria quimioterapia e imunoterapia a cada duas semanas, a começar pelo último fim de semana. O tratamento previsto no entanto foi adiado porque a equipe médica achou melhor esperar os resultados de novos exames.

Até que no domingo a prefeitura anunciou que ele voltaria a ser internado. Em entrevista à rádio CBN na manhã desta segunda, David Uip afirmou que Covas teve sintomas comuns ao tratamento, como náusea e vômito, e que optaram por interná-lo novamente para antecipar exames.

Foi então que o prefeito decidiu se licenciar por 30 dias do comando da Prefeitura de São Paulo, o que deve ser oficializado nesta segunda pela Câmara Municipal. Neste período, o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), assumirá a maior prefeitura do país.

Em rede social, Covas disse que nos últimos meses a vida tem apresentado enormes desafios e que ele tem procurado enfrentá-los com fé, cabeça erguida e muita determinação. Reeleito no segundo turno em novembro passado, o tucano vinha despachando do hospital e de casa.

Ao jornal Folha de S.Paulo Nunes afirmou que vai consultar Covas em temas importantes e que não fará mudanças enquanto for prefeito em exercício.

"Me sinto preparado para ocupar a cadeira nesses 30 dias. Nesses quatro meses do lado do Bruno, aprendi muito, a equipe montada é muito boa, está todo mundo muito entrosado. Os trabalhos vão continuar, eu vou continuar conversando com ele", afirmou Nunes no domingo.

"Não farei absolutamente nenhuma mudança no rumo da prefeitura ou em secretariado, em hipótese alguma, isso nem me passou pela cabeça", disse o vice-prefeito.