Com cúpula África-Turquia, Erdogan visa concorrer com a Europa no mercado africano

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Recep Tayyip Erdoğan
    Recep Tayyip Erdoğan
    Presidente da Turquia

Istambul acolhe a Terceira Cúpula da parceria África-Turquia até sábado (18). Uma cúpula realizada a convite do Presidente Recep Tayyip Erdogan para consolidar as relações e a cooperação entre a Turquia e o continente africano, amplamente desenvolvidas nos últimos 20 anos.

Quarenta funcionários africanos de alto escalão estão atualmente em Istambul para esta 3ª cúpula, que começou na sexta-feira (17). Eles devem discutir o fortalecimento da cooperação nas frentes econômica, de segurança e cultural estabelecida nos últimos anos por Ancara.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, conta com essa cúpula para restaurar sua imagem, principalmente junto aos exportadores, ávidos por novos mercados em tempos de crise monetária.

Para Marc Pierini, pesquisador convidado do think tank Carnegie Europe em Bruxelas, o presidente turco quer ocupar a brecha deixada pela Europa no mercado africano.

“Há dois elementos que interessam o presidente turco: primeiro, ele coloca em destaque o seu modelo hiperpresidencial, que ele confronta às democracias liberais europeias. Isso é um atrativo na África, pois no modelo turco é o presidente que decide sozinho, o que gera uma concorrência política e religiosa com o Ocidente", disse o pesquisador em entrevista à RFI.

Esta cúpula representa, segundo Pierini, a afirmação da Turquia como potência autônoma.

Estratégias de Erdogan

"A Turquia multiplicou sua presença e suas exportações para a África de maneira considerável desde 2003. Hoje, ela passa para uma segunda fase que tende para o lado militar e para a influência política e religiosa", analisa Pierini.


Leia mais

Leia também:
Turquia acusa EUA de apoio a "terroristas" e convoca embaixador do país
Turquia: jornalistas franceses do Charlie Hebdo são indiciados por "insultar" Erdogan
Presidente da Turquia declara embaixadores de dez países 'persona non grata' após apoio a opositor

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos