Com Cesar prestes a virar vice de Freixo, Eduardo Paes cita promessa de apoio de Rodrigo Maia: 'deu a palavra'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A possibilidade de aliança entre Marcelo Freixo (PSB) e César Maia (PSDB) para o governo do Rio desagrada o prefeito Eduardo Paes (PSD), que contava com César para vice do seu apadrinhado, o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz. Ao GLOBO, Paes afirma que segue contando com “a palavra da família Maia” de que o apoio não será dado a Freixo.

Fachin: 'atentar contra a Justiça Eleitoral' é 'atentar contra a própria democracia'

Desinformação: Após decisão de Nunes Marques, juristas dizem que regras já vigentes garantem punição contra fake news

— Temos a palavra da presidência nacional do PSDB e do deputado Rodrigo Maia que estarão com a candidatura do PSD — afirmou o prefeito, que também refuta a possibilidade de se juntar à candidatura de Freixo, com Santa Cruz concorrendo ao Senado. — Sem chance. Felipe é candidato a governador — concluiu.

Em maio, Santa Cruz e Paes convidaram César Maia para ser o vice na chapa encabeçada pelo ex-presidente da OAB. De acordo com Santa Cruz, Cesar também seria responsável por coordenar o programa de governo e a comunicação da campanha. Até hoje, no entanto, César não respondeu ao convite. Até segunda ordem, a empreitada do PSD conta com o Cidadania e o PSDB em sua coligação. Procurado, Santa Cruz não se manifestou.

Freixo confirma convite a Maia

Freixo confirmou o convite a César Maia para ser seu vice nas eleições deste ano. Ao GLOBO, Freixo disse que o ex-prefeito da capital fluminense traduz valores que quer na sua campanha e afirmou que César seria o nome ideal para conduzir as políticas econômicas de um eventual mandato. A dobradinha entre eles ganhou força após encontro neste final de semana entre os dois e o deputado federal Rodrigo Maia, filho de César.

— Tenho o desejo de ter o César como vice, sim. Me agrada muito essa possibilidade, o convite está na mesa e a aliança está sendo construída. O César é uma pessoa que me agrada, de quem gosto e confio muito. Precisamos de emprego e renda e o César tem muito a ajudar com o conhecimento que acumula — afirmou.

Nesta segunda-feira, o PSDB fez chegar aos ouvidos de César e de Rodrigo Maia que não haverá resistência à coligação, que pode proporcionar um inusitado encontro no palanque fluminense entre tucanos e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A aproximação é bem vista pela equipe de Freixo, que busca ampliar o alcance da candidatura e vê em Cesar um administrador tarimbado, capaz de quebrar a resistência de parte do eleitorado à inexperiência do pessebista no Executivo.

Supremo: Alexandre de Moraes manda incluir PCO no inquérito das fake news

Em maio, Santa Cruz e Paes convidaram César Maia para ser o vice na chapa encabeçada pelo ex-presidente da OAB. De acordo com Santa Cruz, Cesar também seria responsável por coordenar o programa de governo e a comunicação da campanha. Até hoje, no entanto, César não respondeu ao convite. Até segunda ordem, a empreitada do PSD conta com o Cidadania e o PSDB em sua coligação. Procurado, Santa Cruz não se manifestou.

Maia já tem carta branca do PSDB

Segundo dirigentes tucanos, o deputado licenciado Rodrigo Maia, que hoje é secretário estadual no governo de São Paulo, tem total autonomia para articular uma eventual chapa Freixo-Maia. O PSDB nacional preferiu não se envolver nas negociações e acompanha o assunto à distância, já que o partido encolheu no Rio e esse movimento é lido como algo que poderia contribuir para "revitalizar" a sigla no estado.

Para aliados, Maia tem trabalhado para ter mais interlocução num eventual governo petista, caso Lula da Silva seja eleito este ano. Por outro lado, o deputado tem procurado fazer movimentos políticos demarcando sua posição contrária ao governo federal, já que ele foi alvo de ataques do bolsonarismo quando era o então presidente da Câmara. Para os tucanos, uma inflexão na direção do PSB é menos radical do que seria numa aliança com o PT. Ainda assim, há militantes que fazem críticas nos bastidores a articulação de Maia e dizem que trata-se de algo incoerente com a história da sigla.

No entanto, tucanos experientes amenizam e afirmam que as ameaças constantes que o presidente Jair Bolsonaro faz contra a democracia tornam mais fácil de justificar alianças mesmo com adversários históricos, como é o caso do PT e de Lula. A dobradinha teria caráter semelhante com a composição feita para que Lula tenha o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) como vice em sua chapa. Nesse sentido, a ideia, segundo aliados, é unir forças contra o bolsonarismo, que nas eleições do Rio é representado pelo governador Cláudio Castro (PL), que busca a reeleição.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos