Com chuveiro, churrasco e cangas, Opavivará celebra 15 anos em mostra no MAC

Ricardo Ferreira

A galera toma uma chuveirada enquanto um churrasco rola solto ao som de DJs. Esse não é exatamente o ambiente que se espera de uma inauguração de exposição. A não ser que a mostra em questão seja do coletivo de artistas Opavivará, marcado pela produção irreverente em formatos não convencionais. Hoje, às 14h, eles inauguram “O prazer é nosso”, no Museu de Arte Contemporânea, em Niterói, com cerca de 30 obras interativas que compõem uma retrospectiva do grupo, que comemora 15 anos.

Parte dos trabalhos é recente — dois deles são inéditos por aqui — e outros, mais antigos, estão na seleção porque marcaram de alguma maneira a jornada do Opavivará, formado por Daniel Toledo, Julio Callado, Domingos Guimarãens e Ynaiê Dawson. Localizada no pátio do museu, “Chuvaverão” (2014), por exemplo, consiste em chuveiros que podem (e devem) ser usados pelo público para se refrescar. “Remotupy” (2016) é um veículo meio triciclo, meio canoa, que vai oferecer um passeio aos visitantes pelo museu. Já “Brasa ilha” (2018) é um automóvel modelo Brasília que também é, sim, churrasqueira. Por aí vai.

— Toda a produção do Opavivará está ligada ao uso do corpo como ativação das obras. Eles tem essa irreverência, um humor marcante, que me chama a atenção — destaca Raphael Fonseca, que divide a curadoria com Pablo León de la Barra. — O Opavivará é um dos coletivos que estão há mais tempo em atividade no Brasil. Isso pode convidar o público a refletir sobre outros grupos também.

Usar é mesmo a palavra de ordem. O público poderá sentar pelo museu com cangas que compõem “Cangaço”, obra que mistura poesia e protesto. Ou experimentar ritmos percussivos com “Flora treme”, feito de utensílios de cozinha.

— Eles utilizam coisas cotidianas, objetos banais, para propor uma reflexão. São objetos com uso para uma pessoa que são ampliados para um uso coletivo. As obras também trazem um incentivo de olhar para a liberdade, tentam estimular que cada um saia um pouco do seu corpo através da arte — afirma Raphael Fonseca.

Além das obras interativas, “O prazer é nosso” reúne vídeos com registros de outros trabalhos do Opavivará que não estão no museu.

Onde: Museu de Arte Contemporânea. Mirante da Boa Viagem s/nº, Niterói (2620-2400). Quando: Abertura hoje, às 14h. Visitação de ter a dom, das 10h às 18h. Até 1º de março. Quanto: R$ 10.