Com Collor, Valdemar e Arruda, Bolsonaro diz que corrupção acabou

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Quatro anos depois, Jair Bolsonaro voltou a escolher o Rio para lançar sua candidatura à Presidência. Desta vez, com novos aliados.

O presidente foi ao Maracanãzinho com uma série de políticos envolvidos em escândalos de corrupção.

Subiram ao palanque o ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado e preso no mensalão do PT, e o ex-governador José Roberto Arruda, cassado e preso no mensalão do DEM.

O ex-presidente Fernando Collor, alvo de impeachment depois da descoberta do esquema PC, também participou da festa.

Apesar das novas companhias, Bolsonaro disse ter montado um governo sem "bandidos".

— Não tem jeitinho no nosso governo. Três anos e meio sem corrupção — discursou.

O presidente só mudou o tom ao tratar do Centrão. No lançamento de 2018, Bolsonaro se referiu ao bloco como "escória" e "nata do que há de pior".

Neste domingo, ele se desmanchou em elogios a personagens como o ministro Ciro Nogueira e o deputado Arthur Lira, a quem chamou de "amigo de longa data".

Há quatro anos: Clima de idolatria marca lançamento de Bolsonaro ao Planalto

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos