Com a compra do BIG, Carrefour soma mais de mil lojas e lidera varejo no Brasil, com 25% do mercado

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO – O Carrefour deu a partida na integração da rede BIG à sua. O processo só deverá estar concluído no início de 2024, segundo o presidente do Carrefour Brasil, Stephane Maquiare, mas a combinação dos dois grupos nasce líder do varejo alimentício, com participação de 25% do mercado brasileiro.

Grupo Pereira: Conheça a gigante do interior que quer disputar o atacarejo de São Paulo e dobrar de tamanho em 5 anos

A nova fronteira do varejo: Modelo chinês que transforma sala de casa em galpão chega ao Brasil'

Timotheo Barros: Loja física é hoje um hub de experiência', diz CEO dos pontos comerciais da Americanas

Com a compra do BIG, firmada no primeiro trimestre do ano passado e homologada somente agora pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o Carrefour passa a ter 150 mil funcionários. Isso o torna, segundo o próprio varejista, o maior empregador privado da América do Sul.

A integração envolve ainda uma reorganização em todo o comando da operação. Patrice Etlin, sócio-executivo da Advent na América Latina, que entra no capital do Carrefour Brasil junto ao a varejista americana Walmart, com 5,6% de participação, ganha assento no Conselho. Abílio Diniz, que detém 7,2% do capital por meio da Península, empresa de participações de sua família, ascende à posição de vice-presidente do colegiado.

Com 67,7% da operação brasileira, o Carrefour global conserva a cadeira de presidência do conselho, com Maquiare, além de metade dos assentos. Mas, além do papel de vice-chairman, Diniz presidirá ainda dois dos três dos comitês ligados diretamente ao conselho, de Pessoas e Cultura. O executivo quer imprimir agilidade à rede francesa.

Bateu a Barbie: Lu, do Magalu, se torna influenciadora virtual com mais seguidores no mundo

– Na minha trajetória estou buscando sempre ser o melhor. Ser maior é consequência – diz Diniz, que pretende contribuir de maneira efetiva para que o Carrefour seja percebido assim pelo consumidor brasileiro. – Cada vez mais temos a percepção de que o varejo é local, não adianta estar num país e tentar jogar o jogo do varejo de um outro país.

Para manter a proximidade com cliente, segundo Maquiare, o processo de integração procurará preservar as marcas mais conhecidas do público. Profissionais que estavam no comando dos mercados da rede adquirida ganham lugar no novo comitê executivo do Carrefour, que terá 12 membros, alguns deles trazidos de mercado.

Competição: Dona das Casas Bahia aposta em marketplace para itens pesados e vai entregar geladeiras e móveis vendidos em sites de rivais

Tanto no conselho de administração quanto no comitê executivo, o Carrefour buscou incluir executivos de mercado que se destacam em inovação e tecnologia. – Temos que dar um salto digital – afirmou Diniz.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos