Com compra do Twitter, Musk pode rivalizar com app gigante chinês

Musk anunciou a compra do Twitter e pode rivalizar com app chinês
Musk anunciou a compra do Twitter e pode rivalizar com app chinês

Elon Musk oficializou a compra da rede social Twitter. O começo da transação aconteceu em abril deste ano, quando o homem mais rico do mundo comprou 9% da rede social. No final daquele mês, houve a proposta oficial para a aquisição.

Após idas e vindas, troca de acusações das partes, questões judiciais etc, o negócio foi fechado. Musk até postou uma carta no Twitter escrevendo que quer a rede social como uma "praça pública global onde é possível discutir as mais variadas ideias sem violência".

O empresário, que é dono também de Tesla, SpaceX e Starlink, já gravou um vídeo dentro da sede da rede do pássaro azul, que fica em São Francisco, Califórnia.

Muito tem se especulado sobre o motivo da compra de Musk. O próprio sul-africano disse em outras oportunidades que gostaria de uma rede social "realmente livre, sem qualquer tipo de censura".

"Eu acho que no fundo o Musk quer o Twitter não para embaralhar o mercado, mas sim comprar os ativos da rede social, que são seus usuários. Na verdade, esse Super App [conhecido também como X] que ele quer lançar deve concorrer com o WeChat, da China, que faz tudo: troca mensagem, é rede social e faz outras funções. Por isso que ele tem essa preocupação com contas falsas. Ele quer um app que faça desde transações bancárias até comprar comida. Minha única preocupação com o Musk é que ele é um cara que não gosta de regulação, mas dentro da internet existem legislações", explica Letícia Menegon, professora de administração e empreendedorismo na ESPM.

Por enquanto, Musk tem sido vago ao falar sobre o X. O nome, no entanto, apareceu brevemente no passado quando um fã no Twitter o perguntou se ele já teria pensado em criar sua própria rede social caso não chegasse a concluir a compra do Twitter. Em resposta, Musk apenas disse "X.com".

O domínio está nas mãos de Musk desde 2017, quando o CEO afirmou manter um "grande valor sentimental" por ele. O site foi criado em 1999 como um banco online, tendo sido adquirido no ano seguinte com o PayPal, do qual Musk foi ja foi diretor executivo. No entanto, mesmo sem dar detalhes, é possível especular o que seria o X a partir das declarações passadas de Musk.

Para Pedro Raffy Vartanian, professor de Economia do Mackenzie, essa compra do Musk precisa ser vista com cautela nesse primeiro momento. "Não se espera uma grande mudança no Twitter até porque isso poderia provocar uma fuga de participantes da rede. O Super App que ele pretende lançar vai depender de como os usuários verão isso. Apps bons são os simples. Super Apps são importantes e podem virar tendências. Mas se eles ficam complicados, eles não se disseminam entre os usuários. Só o tempo irá dizer se esse Super App vai substituir os outros", conclui.