Com coronavírus, total de passageiros cai até 35% em trens no Rio de Janeiro

MARCELO TOLEDO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) -Em dois dias, os trens do Rio de Janeiro deixaram de transportar 212 mil

passageiros devido ao novo coronavírus, conforme levantamento da Supervia, concessionária do sistema ferroviário.

Segunda-feira (16) foi, segundo a empresa, o primeiro dia de redução de demanda, com 76 mil passageiros a menos transportados até as 16h, o que corresponde a 20% do movimento habitual para o dia da semana. A queda é reflexo das recomendações governamentais de evitar sair às ruas e, assim, diminuir a propagação do coronavírus.

Já nesta terça-feira (17), no mesmo intervalo, a redução se acentuou e chegou a 35%, com cerca de 136 mil embarques a menos que a média para o dia.

De acordo com a Supervia, a redução ocorreu em todos os ramais, mas foi maior entre as gratuidades, concedidas a estudantes, idosos e pessoas com deficiência.

Idosos são os mais vulneráveis ao coronavírus, enquanto os estudantes estão sem aula ou com restrições em todos os estados do país.

De acordo com a Supervia, medidas especiais foram adotadas para higienização dos trens antes das partidas na estação Central do Brasil. Foram contratados profissionais para aplicar álcool líquido 70% em bagageiros, balaústres e nas alças pega-mão, nos momentos em que os trens estão vazios e com as portas abertas.

Eles estão atuando diariamente com o efetivo normal da empresa, que faz limpeza dos bancos e do chão dos trens nas estações terminais. Nas estações com maior fluxo de passageiros, há limpeza extra em catracas e validadores.

A Supervia é concessionária do sistema desde 1998, tem cerca de 200 trens, opera 270 quilômetros de malha ferroviária e emprega 4.000 pessoas, entre vagas diretas (2.500) e indiretas (1.500). Atua em 12 municípios do Rio de Janeiro e chegou a transportar mais de 650 mil passageiros em dias úteis, mas viu o total cair nos últimos anos.

TREM TURÍSTICO CANCELADO

Já em São Paulo, a pandemia do novo coronavírus foi responsável, também, pelo cancelamento das operações do Expresso Turístico, da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), desde o último domingo (15).

A suspensão das viagens é por tempo indeterminado. Usuários que compraram passagens antes de o serviço ter sido suspenso poderá optar pelo reembolso ou pela remarcação das viagens –quando elas forem retomadas.