Com críticas ao STF, deputados fazem ato de apoio a Daniel Silveira no Planalto

BRASÍLIA — Deputados das frentes parlamentares evangélica e da segurança realizam na tarde desta quinta-feira, uma espécie de ato de apoio ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado a prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A cerimônia foi realizada no Salão Nobre do Palácio do Planalto e contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro.

Oficialmente, o evento foi apresentado como em defesa da "liberdade de expressão". Entretanto, em seus discursos muitos dos parlamentares fizeram críticas ao STF. O deputado Gurgel (PL-RJ), por exemplo, disse que o Judiciário pratica uma "ditadura", enquanto a deputada Major Fabiana (PL-RJ) afirmou que o parlamentar foi alvo de uma "decisão desumana".

Silveira desceu a rampa do Planalto na frente até mesmo de. Nas mãos, carregava o quadro com o decreto do indulto, que ganhou momentos antes na Câmara, do deputado Coronel Tadeu (PL-SP).

Os primeiros a falar foram os deputados Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) e Capitão Augusto (PL-SP), presidentes da frente evangélica e da segurança, respectivamente. Depois, mais de 20 parlamentares também discursaram.

Inicialmente, a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) chegou a constar como solicitante do evento, mas não compareceu. A FPA alega que enquanto colegiado não tem poder de bancada e é vedada pelo seu estatuto de se manifestar sobre temas fora do agro.

Silveira foi condenado na semana passada a oito anos e nove meses de prisão, por ameaças e incitação à violência contra ministros do STF. Um dia depois, Bolsonaro editou um decreto concedendo indulto a ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos