Com crise climática, Ipea reduz projeção do PIB da agropecuária de 2,6% para 1,7% neste ano

·2 minuto de leitura
**ARQUIVO** PARDINHO, SP, 04-08-2021: Gado come ração em fazenda em Pardinho, interior do estado de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)
**ARQUIVO** PARDINHO, SP, 04-08-2021: Gado come ração em fazenda em Pardinho, interior do estado de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em meio a dificuldades climáticas, o PIB (Produto Interno Bruto) da agropecuária deve crescer menos neste ano, indica o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Nesta quinta-feira (26), o instituto reduziu sua estimativa de alta para o indicador em 2021, de 2,6% para 1,7%.

"O ajuste nas projeções foi motivado, principalmente, pela redução nas estimativas de produtividade e produção de culturas importantes (como a do milho), devido a impactos climáticos adversos da ocorrência de um fenômeno La Niña mais severo nesta safra, e pela piora do cenário para a produção de bovinos", afirmou o Ipea em nota.

A previsão de alta de 2,6% havia sido feita em junho. De lá para cá, a seca se intensificou no país, prejudicando lavouras diversas.

O La Niña é visto como um dos motivos da crise hídrica porque afeta a distribuição de chuvas. No Brasil, esse fenômeno costuma provocar estiagem no Centro-Sul.

Se confirmado, o avanço de 1,7% marcará o quinto ano consecutivo de crescimento da agropecuária. O cálculo leva em conta o valor adicionado pelo setor no PIB.

Em relação à produção vegetal em 2021, os pesquisadores revisaram a alta de 2,7% para 1,7%. O desempenho positivo, diz o Ipea, é sustentado pelos avanços na soja (+9,8%), no trigo (+36%) e no arroz (+4,1%).

Esses resultados compensam as quedas estimadas para as culturas de milho (-11,3%), cana-de-açúcar (-3,2%) e café (-21%), que também sofreram com geadas em julho.

"O rendimento do milho em 2021, em especial, foi muito prejudicado pelo atraso na colheita da soja, que retardou o plantio da segunda safra, ficando dependente de chuvas tardias que não ocorreram", aponta o Ipea.

Na produção animal, a previsão de alta foi revista de 2,5% para 1,8%, com crescimento para a maior parte dos segmentos, exceto na produção de bovinos, que deve ter queda de 1%. O Ipea destaca que há atraso na retomada dos abates de bovinos.

Para 2022, o Ipea projeta um crescimento de 3,3% para o PIB agropecuário. A previsão foi feita a partir das primeiras informações disponibilizadas pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) para a produção vegetal e das estimativas do Grupo de Conjuntura do Ipea para a produção animal.

"Esperamos uma recuperação da oferta de bovinos no ano que vem, tendo transcorrido tempo suficiente para a recomposição do rebanho após o pico em 2019", indicou Pedro Garcia, pesquisador associado do Ipea, em nota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos