Com doses insuficientes, cidades do Rio estão em fases diferentes de vacinação contra Covid-19

Lucas Altino
·5 minuto de leitura

RIO — Na semana passada, a falta de controle sobre aplicação de vacinas em municípios do interior e da Região Metropolitana do Rio acendeu o alerta sobre autoridades. Neste sábado, o Ministério Público do Rio (MPRJ) notificou a Secretaria de Saúde de São Gonçalo, uma das cidades onde foi vista uma "corrida" por vacina, com residentes de outras localidades nas filas, e a Secretaria estadual de Saúde (SES) admitiu preocupação com os relatos. Ainda não há registros oficiais de estoques zerados antes da hora, mas o fato é que municípios estão em fases diferentes em suas vacinações.

Em São Gonçalo e Duque de Caxias, por exemplo, idosos, que começaram a ser contemplados na semana passada, não serão o grupo prioritário nesta segunda, quando o foco retornará aos profissionais da saúde. Procuradas, as prefeituras explicaram que o calendário se dá dessa forma pela quantidade de doses recebidas, ainda insuficientes para imunização dos idosos, por isso a priorização a profissionais de saúde. Já em Itaboraí, Japeri e Nova Iguaçu, idosos serão vacinados nesta semana.

Na última sexta (5), a reportagem do EXTRA flagrou idosos voltando para casa após serem informados que as vacinas haviam acabado, nos postos de saúde e drive thru. Em São Gonçalo, para onde se dirigiram diversos profissionais de saúde, não idosos, de municípios vizinhos, houve relatos semelhantes de problemas no estoque. O subsecretário de Vigilância em Saúde da SES, Alexandre Chieppe, afirmou que, até aqui, não recebeu informação oficial de vacinas acabando nas cidades, mas admitiu preocupação com o descontrole.

— Várias cidades não vacinaram todos os profissionais de saúde. Preocupa não vacinarem quem tem que ser vacinado — afirmou Chieppe, que, por outro lado, disse que não há medida prevista por parte da SES contra essas secretarias. — Não há há medida prevista contra isso, além de orientar.

Já o MPRJ notificou o secretário de Saúde de São Gonçalo para que o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 seja cumprido. Foram pedidas explicações para que o gestor justifique a antecipação de "outros grupos". A priorização, nessa fase inicial, é de profissionais de saúde na linha de frente do combate à pandemia, mas, na prática, São Gonçalo estava vacinando profissionais da área indiscriminadamente, segundo o MPRJ, "sem qualquer critério ou exigência de vinculo à unidade de saúde, em desalinho com os demais Municípios e com a própria essência do Plano Nacional de Vacinação". Por isso, houve migração de pessoas de outra cidade às filas são gonçalenses.

Segundo a promotora de Justiça Manoela Verbicário estão sendo realizadas fiscalizações, in loco, nas unidades de saúde de todos os municípios da Região Metropolitana II, o que inclui São Gonçalo, Itaboraí, Niterói, Rio Bonito, Silva Jardim, Tanguá e Maricá. E as medidas cabíveis serão tomadas, no caso de identificação de irregularidades.

Leia mais: 'Não sejam otários. Não comprem ingressos', diz Paes sobre festas clandestinas no CarnavalProcurada, a prefeitura de São Gonçalo informou que, nesta semana, o município seguirá imunizando "profissionais de saúde somente da rede municipal", em seus locais de trabalho, e respondeu que as segundas doses já estão garantidas. Em relação às fases posteriores de vacinação, a prefeitura disse que aguarda comunicado do Ministério da Saúde sobre envio de novas doses e critérios para público-alvo. Na semana passada, idosos com mais de 90 anos estavam sendo vacinados, mas a vacinação dessa faixa foi suspensa "até a chegada de uma nova remessa de vacinas".

A prefeitura de Duque de Caxias deu resposta semelhante. A cidade também havia começado a vacinar idosos com mais de 80 anos, mas nesta segunda as doses serão apenas para profissionais de saúde. Segundo a prefeitura, a quantidade de vacinas ainda não é suficiente para ambos os grupos.

Confira a programação de vacina na semana nas principais cidades

Rio de Janeiro: A próxima semana será dedicada a idosos entre 85 e 89 anos

São Gonçalo: Os vacinados serão profissionais da saúde da rede municipal, que receberão as doses em seus locais de trabalho.

Duque de Caxias: Profissionais de saúde receberão a segunda dose da Coronavac, começando pelos funcionários da UPA Beira Bar e Hospital Municipal São José. Cerca de 20 mil residentes já foram vacinados.

Niterói: Nesta segunda, a prefeitura vacinará idosos com 88 anos ou mais, inclusive acamados. A vacinação presencial será feita nas policlínicas do Barreto, Itaipu, Vital Brazil e São Lourenço, e irá durar enquanto houver doses. Até o momento, 18 mil profissionais de saúde e idosos foram vacinados na cidade, que recebeu, até aqui, 20 mil doses. Com o que já recebeu de doses, a meta é a aplicação em 15.711 pessoas. As vacinas, nesta semana, serão administradas para profissionais de saúde com mais de 60 anos, e idosos da população com mais entre 90 e 94 anos. Nesta segunda, serão incluídos profissionais de educação física com mais de 60 anos. Itaboraí: Os idosos em instituições de longa permanência já foram vacinados com a primeira dose e, nessa semana, será aplicada a segunda. Além dos asilos, a secretaria municipal de Saúde irá começar as aplicações das vacinas nas residências dos pacientes (acamados e pessoas com deficiência), e a previsão é que dure a semana toda. Assim que finalizar esse grupo, os próximos serão idosos a partir de 90 anos. Japeri: O grupo prioritário de fevereiro são os idosos com mais de 80 anos. Na última semana, foram vacinadas pessoas com mais de 95 anos. Nessa semana, será a vez das pessoas entre 90 e 94 anos.

Prefeitura do Rio aumenta número de testes para Zona Oeste

A Secretaria municipal de Saúde (SMS) do Rio fechou parceria com a siderúrgica Ternium para doação de 10 mil testes de antígeno para detecção da Covid-19. O primeiro lote, com 5 mil unidades, já foi distribuído para unidades de saúde de Santa Cruz, e o segundo será entregue no fim de fevereiro.

— A partir da testagem, as equipes de saúde podem atender o paciente e rastrear todas as pessoas que tiveram contato com ele, e assim bloquear a disseminação do vírus. Outro ponto estratégico é a vacinação. As pessoas não devem deixar de se vacinar. Além da imunização, a vacina também vai ajudar a reduzir casos graves e óbitos -- afirmou o secretário Daniel Soranz.