Com fim de seguro-desemprego e estádios cheios, junho pode iniciar recuperação dos EUA

·2 minuto de leitura
Clientes da Almanac Taproom em Alameda, Califórnia, EUA

Por Howard Schneider e Ann Saphir

WASHINGTON (Reuters) - Quatorze meses depois de a pandemia desencadear uma emergência nacional, o capítulo final da recuperação econômica dos Estados Unidos pode começar neste mês, com mudanças rápidas que começam com o fim dos benefícios adicionais a desempregados em metade dos Estados e terminam com a reabertura esperada de escolas e universidades.

No meio tempo, os estádios de beisebol devem voltar a receber público máximo, e no dia 15 de junho a Califórnia, a maior economia estadual do país, eliminará suas últimas restrições dos tempos de Covid e permitirá que bares, restaurantes e outros negócios rumem para a normalidade.

No mesmo dia, em Washington, o Federal Reserve deve iniciar um debate sobre quando e como tirar sua política monetária de combate à crise e se voltar para o manejo do que se espera que será uma grande expansão econômica.

As dúvidas sobre que aspecto a economia pós-pandemia terá são muitas: quantas pessoas voltarão a trabalhar? Quantos negócios terão sobrevivido ou fechado? Quão resistente o país será quando as assistências da pandemia forem encerradas? As respostas devem começar a surgir em breve.

"A ocasião é realmente ótima", disse Tyson Herzog, gerente-geral da Porchlight Brewing Co., sobre o fim das restrições da Califórnia em tempo para o verão, já que estas fecharam muitos restaurantes durante partes do ano passado e os sujeitaram a limites rigorosos durante a luta contra o vírus.

Um programa de assistência de 800 bilhões de dólares para pequenos negócios ajudou muitas empresas a sobreviverem, inclusive a de Herzog. Após um ano de entrega domiciliar de cerveja em sua Dodge Caravan de 1999, ele planeja contratar mais funcionários para atendimento virtual e aumentar a produção em meio a recordes de venda.

Desde que a distribuição de vacinas contra o coronavírus começou em dezembro, projeções apontam para números recordes neste ano, inclusive o crescimento anual mais rápido do Produto Interno Bruto (PIB) em quase 40 anos.

Mais de 60% das pessoas de 12 anos ou mais já estão ao menos parcialmente vacinadas. A taxa de novas infecções e mortes despencou, e a confiança, as viagens e a socialização aumentam constantemente, assim como o comércio que acompanha tudo isto.

Mas nem tudo está bem encaminhado. Em maio, as empresas criaram 559 mil empregos, mas o número total continua 7,6 milhões abaixo daquele do início de 2020. Cerca de 3,6 milhões de pessoas estão desempregadas, e a força de trabalho encolheu em 3,5 milhões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos