Com flexibilização do isolamento, serviços avançam 0,7% em abril

·1 minuto de leitura

RIO - O setor de serviços avançou 0,7% em abril, na comparação com março, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE. O resultado é reflexo do afrouxamento das restrições à circulação, após medidas mais duras no mês anterior.

Analistas ouvidos pela Reuters projetavam alta de 0,6% no mês e 18,2% no ano.

Considerado motor do PIB brasileiro, o setor de serviços veio perdendo fôlego desde dezembro e interrompeu nove meses seguidos de taxas positivas em março, quando caiu 4%. Com o resultado de hoje, o setor retoma sua trajetória de recuperação, mas ainda se encontra 1,5% abaixo do patamar de fevereiro do ano passado, período pré-pandemia.

Perspectivas

Economistas avaliam que o afrouxamento das medidas de isolamento social, na esteira de avanços da vacinação contra a Covid-19, tende a colocar o setor de serviços em trajetória de retomada sem novos tropeços.

Índice de Confiança de Serviços, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 6,4 pontos na passagem de abril para maio, chegando a 88,1 pontos. Foi o maior patamar registrado pela pesquisa desde o período pré-pandemia, em fevereiro do ano passado.

“A expectativa é que a expansão do programa de vacinação atingindo uma parcela maior da população contribua para a continuidade da recuperação no setor bastante afetado durante todo o período da pandemia”, disse Rodolpho Tobler, economista da FGV.