Com fome em alta no país, parlamentares gastam verba pública em restaurantes de luxo

·2 min de leitura
Com crise econômica, fome se alastrou pelo Brasil - Foto: Getty Images
Com crise econômica, fome se alastrou pelo Brasil - Foto: Getty Images
  • Levantamento da rádio BandNews FM mostrou gastos milionários em restaurantes de luxo

  • Senadores tiveram aumento de 27% nos gastos em relação ao ano passado

  • Enquanto isso, boa parte da população brasileira vive em situação de insegurança alimentar

Enquanto a crise econômica se alastra e dezenas de milhões de pessoas passam fome no país, parlamentares estão utilizando verba pública em restaurantes de luxo. Foi o que revelou um levantamento da rádio BandNews FM divulgado nesta quinta-feira (4).

Segundo o veículo, o ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PROS), por exemplo, gastou R$ 22.806 em uma festa para 97 pessoas regada a caipirinha e cerveja no Churrascaria Fogo de Chão, na Asa Sul, em Brasília.

Não foi apenas o ex-chefe do Executivo, porém, que gastou o dinheiro da população em refeições milionárias. Colega de Collor no Senado, Carlos Portinho (PL) desembolsou R$ 1,3 mil e R$ 1,07 mil em saídas consecutivas para jantares em um restaurante italiano e outro japonês.

O senador Alexandre Giordano (MDB) também emendou refeições milionárias, ambas custando R$ 1.742, devidamente reembolsadas pelo Senado.

Nem mesmo o relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB) escapou. Em três almoços no restaurante Dom Francisco, em Brasília, ele gastou R$ 2.015.

Collor gastou mais de R$ 22 mil em uma festa - Foto: Agência Brasil
Collor gastou mais de R$ 22 mil em uma festa - Foto: Agência Brasil

O levantamento apontou que os 81 senadores gastaram no total, com alimentação, locomoção, combustível e hospedagem, R$ 3.237.567,64 entre janeiro e setembro, um aumento de 27% em relação a 2020.

Respostas dos senadores

À Rádio BandNews, a assessoria de Carlos Portinho explicou que o senador não está entre os que mais gastam com alimentação e que os jantares citados deram continuidade a reuniões de trabalho sobre projetos que reverteram em riquezas muito superiores ao Estado do Rio de Janeiro.

O gabinete de Giordano apontou que todos os pedidos de ressarcimentos são feitos em respeito às normas legais, estando restritos a compromissos de natureza política, funcional ou de representação parlamentar.

Renan Calheiros também bancou almoços milionários - Foto: REUTERS/Adriano Machado
Renan Calheiros também bancou almoços milionários - Foto: REUTERS/Adriano Machado

Fernando Collor, por sua vez, justificou a quantia desembolsada afirmando que os gastos são feitos de acordo com as regras do Senado "em atividade de representação parlamentar".

Já Renan Calheiros esclareceu que os três almoços no restaurante Dom Francisco foram feitos com a equipe durante os trabalhos na CPI da Pandemia.

Brasil tem 41% da população em situação de insegurança alimentar

Certeza da comida na mesa se tornou um luxo que apenas 59% da população brasileira tem acesso. Os outros 41% convivem com a fome ou estão em algum grau de insegurança alimentar, conforme números da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) divulgados em agosto.

Das 84,9 milhões de pessoas nesta parcela, 27% vivem com insegurança alimentar leve, quando há incerteza em relação ao alimentos no futuro, além de perda na qualidade da alimentação. Outros 13,9% vivem em insegurança moderada ou grave, quando não existe qualidade ou quantidade adequadas de comida. São nesses estágios que a fome aparece.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos