Com forte esquema de segurança, Macron celebra reeleição aos pés da Torre Eiffel

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Cinco anos depois, Emmanuel Macron conseguiu celebrar a sua vitória eleitoral no emblemático cartão postal de Paris. Se na primeira eleição, em 2017, a prefeitura havia negado o acesso ao Champs-de-Mars (Campo de Marte), desta vez, nem a previsão de chuva atrapalhou os planos dos apoiadores do partido de centro LREM (A República em Marcha), que se reuniram em peso diante da torre Eiffel, neste domingo (24).

O público começou a chegar aos jardins no fim da tarde. Entre os apoiadores de Macron estava Rafael, 17 anos. O jovem ainda não tem idade para votar, mas apoiou o partido República em Marcha. “Fiquei triste de não poder votar, mas estou aqui para representar a juventude”, disse ele à RFI Brasil. “É melhor defender Emmanuel Macron aos 17 anos do que Marine Le Pen, acho que essa postura é melhor vista na sociedade”, acrescentou, comentando a atitude de parte do eleitorado jovem do esquerdista Jean-Luc Mélenchon que migrou para o lado da candidata do Reunião Nacional, da extrema direita.

Revista e cães farejadores

A ameaça constante de atentados terroristas na França obrigou a um esquema de segurança máxima. Todos os acessos ao Campo de Marte foram controlados pela polícia, desde às 16 horas de domingo (24), com revistas e checagem de bolsas dos participantes. O dispositivo se estendeu até a madrugada de segunda-feira (25) no 7º distrito da capital francesa, onde estavam reunidos, além dos apoiadores do candidato, mais de 1.300 jornalistas, franceses e internacionais, credenciados para acompanhar o anúncio do resultado.

Fratura política

A festa terminou com todos cantando a Marselhesa, o hino francês.


Leia mais

Leia também:
“Vou fazer da França uma grande nação ecológica”, diz Macron em discurso de vitória
No Brasil, Macron tem vitória esmagadora e conquista 88,9% dos votos
Le Pen reconhece derrota e convoca franceses a elegerem deputados de extrema direita

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos