Com Greta Thunberg, jovens enviam ‘lições aos adultos’ na greve pelo clima em Nova York

ANA CAROLINA AMARAL*
***ARQUIVO***NOVA YORK, EUA, 09.09.2019 - GRETA-THUNBERG - A ativista Greta Thunberg durante bate-papo sobre clima com Naomi Klein, na Ilha de Manhattan, em Nova York (EUA). (Foto: Vanessa Carvalho/Brazil Photo Press/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1909100209794116

NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - A cidade de Nova York puxa uma das maiores greves pelo clima do mundo nesta sexta-feira (20), com a participação da ativista sueca Greta Thunberg, que criou as greves estudantis pelo clima. A principal mensagem veio dos estudantes. “Escapamos da classe para lhes dar uma lição” foi uma mensagem frequente nos cartazes, assim como “se vocês estivesse fazendo seu trabalho, nós estaríamos na escola”.

Cerca de 1,1 milhão de estudantes das escolas públicas de Nova York foram dispensados da aula para participar da marcha. Além da predominância de estudantes entre 12 e 17 anos, jovens de diversos países também integram o protesto, que acontece a apenas três dias da Cúpula do Clima da ONU, convocada pelo secretário-geral da ONU para a próxima segunda-feira (23) também em Nova York.

Cartazes pela Amazônia foram levados por jovens dos Estados Unidos e também de países latinoamericanos, como Colômbia, Equador e Brasil.

“Estou preocupada, porque parece que as pessoas estão ficando mais ignorantes”, diz Keyra S., 16. Nascida nos Estados Unidos e filha de equatorianos, ela explica que faz uma piada com o capitalismo em seu cartaz ao escrever que “estão queimando a Amazon errada”.

“As crianças no Brasil também estão preocupadas, certo? Elas foram para a greve?” As perguntas são disparadas por uma menina de 13 anos ao saber que a entrevista é para uma mídia brasileira.

A mãe dela, quem preferiu que seus nomes não fossem publicados, conta que a filha lhe questiona sobre a Amazônia. “Ela está tentando entender o que acontece com o Brasil”, diz a mãe. O grupo tem mais 14 adolescentes e é acompanhado por outras duas mães. Elas contam que foram ‘arrastadas’ pelas crianças.

“Minha filha me obrigou a vir. Nunca fui ativista, esse é meu primeiro protesto”, diz Talya Moore, 42.

“Pensamos em fazer cartazes engraçados, porque achamos que precisa ter humor para as pessoas pensarem melhor”, dizem as duas amigas, que estudam juntas. As piadas e o estilo que lembra memes das redes sociais destacam os cartazes dos adolescentes e marcam sua autoria.

Centenas de pais também aproveitam para levar filhos pequenos e até bebês ao protesto, também com mensagens comoventes.

Discursos de Greta Thunberg e outros líderes ambientalistas estão marcados para acontecer no final da tarde para encerrar a marcha. Ainda não há divulgação oficial sobre o número de participantes.


*A jornalista viajou a convite da Anistia Internacional e do Instituto Clima e Sociedade (ICS).