Com inflação de 10,42% em 2021, ainda vale a pena pagar IPTU e IPVA em cota única? Veja o que os analistas recomendam

·1 min de leitura

Com a aproximação de um novo ano, muitos já começam a preparar os bolsos para arcarem com despesas como o IPTU e o IPVA, que começam a ser cobrados a partir de janeiro. No entanto, com uma prévia de inflação acumulando alta de 10,42% em 2021 e com projeções desfavoráveis para 2022, o contribuinte pode se questionar se realmente vale a pena correr atrás dos descontos oferecidos pelas cidades e estados para aqueles que decidirem quitar as dívidas em uma única parcela, em vez de dividirem o valor ao longo dos meses.

A resposta, contudo, não é tão simples e divide opiniões de especialistas. Para o professor de finanças pessoais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), William Eid Junior, é preciso levar em conta outros fatores, como a alta na taxa básica de juros, a Selic, agora em 9,25%, que pode tornar vantajoso o parcelamento da dívida a longo prazo.

Na opinião do especialista em finanças e diretor de pós-graduação no UniAnchieta, Filipe Pires, e do professor de finanças do Insper, Ricardo Humberto Rocha, essa conta depende das reservas pessoais de cada um, o que pode tornar o cenário viável para eventuais antecipações de pagamento em alguns casos.

Para ler o texto na íntegra, acesse a matéria no GLOBO.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos