Com 'influência presidencial', irmão de Bolsonaro elege aliados no interior de SP

Guilherme Caetano
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO — Ao contrário do desempenho do presidente Jair Bolsonaro para eleger seus candidatos pelo Brasil nas eleições municipais, o irmão Renato Bolsonaro teve êxito como cabo eleitoral no Vale do Ribeira, interior de São Paulo. Na região onde Jair passou a adolescência, seu irmão aproveitou da proximidade com o Palácio do Planalto e ajudou a eleger dois candidatos em cidades onde a família vive.

Seu maior aliado, Vinícius do Iraque (PL), elegeu-se prefeito de Miracatu com 45,17% dos votos. Sem tanto endosso de Renato, Dinoel (PL), por sua vez, venceu a disputa em Eldorado com 37,29%. Lá vive a mãe de Jair e Renato, Olinda Bolsonaro.

Derrotado nas últimas duas eleições a prefeito no município, cidade de 20 mil habitantes no sul do estado, Renato Bolsonaro não pôde se candidatar neste ano porque a lei proíbe parentes em até segundo grau de chefes do Poder Executivo de concorrerem a cargos eletivos, a não ser que disputem a reeleição, como foi o caso de Carlos Bolsonaro, o filho "02" do presidente.

Renato então se engajou em diversas candidaturas na região — todas do PL, cujo diretório municipal presidiu por mais de 10 anos — para garantir sua influência, mas despendeu atenção especial à candidatura de Vinícius. Vereador de Miracatu, Vinícius foi anunciado em agosto como "substituto" de Renato na disputa de 2020. Desde então, o aliado o levou a encontros com Jair Bolsonaro e a alta cúpula do governo para imprimir digitais presidenciais em sua campanha.

Desde o ano passado, o irmão do presidente se aproveitou da influência familiar para se tornar uma espécie de "embaixador" do Vale, responsável por recepcionar autoridades na região. Já passaram por lá os secretários da Pesca, Jorge Seif, de Assuntos Fundiários, Luiz Antônio Nabhan Garcia, além do ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, e o presidente da Embratur, Gilson Machado.

Foi uma visita a Machado, aliás, um dos últimos atos eleitorais de Vinícius do Iraque. Ele acompanhou Renato a uma visita a Brasília, na última quinta-feira, para encontro com o presidente da Embratur. Ao lado da "comitiva do Vale do Ribeira" e do assessor especial da Presidência da República, Mosart Aragão, Machado prometeu medidas para desenvolver economicamente a região.

Vinícius teve apoio explícito de Jair Bolsonaro. Numa visita em que Renato fez ao irmão no Guarujá, litoral de São Paulo, no feriado de 12 de outubro, o presidente gravou um vídeo para o candidato. "Se é o teu candidato, é o meu também", diz Bolsonaro ao irmão. "Boa sorte, Vinícius. Se Deus quiser, até a vitória. A todos de Miracatu, se puder colaborar com essa nossa candidatura, eu agradeço, tá ok?". Vinícius compartilhou o vídeo em suas redes sociais na reta final da campanha.

Parlamentares conhecidos do bolsonarismo também endossaram a campanha de Vinícius e gravaram vídeos para o candidato divulgar em suas redes. São alguns exemplos os deputados federais Hélio Lopes (PSL-RJ), Major Vitor Hugo (PSL-GO), Guiga Peixoto (PSL-SP) e Rosana Valle (PSB-SP), além dos estaduais Tenente Coimbra (PSL) e André do Prado (PL), de quem o irmão do presidente é ex-funcionário.

Renato foi exonerado em 2016 de seu gabinete, após uma reportagem do "SBT" apontar que, embora constasse como servidor do escritório, não batia ponto na Assembleia Legislativa (Alesp). Políticos da região dizem que a pecha de "funcionário fantasma" prejudicou a imagem de Renato, que não conseguiu se eleger naquele ano.

Em Eldorado, o PT lançou uma candidatura quilombola, Dr. Oriel, para fazer frente ao bolsonarismo, mas o candidato não teve um bom desempenho e terminou a disputa em último, com 9,36% dos votos.

A cidade de Registro, conhecida como "capital do Vale", foi também alvo do interesse de Renato. Na cidade de 56 mil habitantes, a maior da região, ele bateu ponto semanalmente para participar de comícios com Marcelo Comeron (PL), que terminou a corrida em terceiro lugar. Renato se engajou até mesmo em campanhas fora do Vale, como em Peruíbe, litoral sul, onde apoiou Cabo Anderson Proerd (Patriota), e em Guarulhos, com Adriana Afonso (PL), que também não se elegeram.

Na cidade da região metropolitana de São Paulo, no entanto, sua aliada concorreu com o candidato apoiado pelo seu sobrinho Eduardo Bolsonaro. Genro de Levy Fidelix, Rodrigo Tavares (PRTB) recebeu endosso presencial do filho "03" do presidente e foi "autorizado" como o candidato de Jair Bolsonaro em Guarulhos. Quem acabou eleito foi Guti, do PSD.